COMISSÃO PASTORAL DA TERRA

 

 

Articulação das CPT's do Cerrado, movimentos e organizações da sociedade civil divulgam formulário online para realizar levantamento de informações das queimadas no Cerrado. Em poucos minutos você pode ajudar, participe do monitoramento e divulgue o formulário.

TEXTO: Caio Barbosa e Valéria Santos - Comunicação Popular da Articulação das CPT's do Cerrado
ARTE: Gustavo Ohara - Comunicação Popular da Articulação das CPT's do Cerrado

O Brasil está em chamas! O Cerrado, Pantanal e Amazônia,  territórios de vidas e das águas, seguem ameaçados pelas ações nefastas do agronegócio, que avança a passos largos sobre os territórios dos povos e comunidades tradicionais. Essas queimadas fazem parte do ciclo vicioso do roubo de terras através da grilagem, desmatamento e queimadas,  causando violências e destruição da biodiversidade e dos modos de vida dos povos tradicionais.

Para monitorar e denunciar as queimadas no Cerrado, a Comissão Pastoral da Terra juntamente com a Fase, Campanha Nacional em Defesa do Cerrado e lideranças das comunidades estão realizando levantamento de informações através de um questionário online (via internet). O objetivo é identificar os incêndios, as causas e as consequências para  as comunidades e povos  tradicionais.

Entre os meses de janeiro e meados de setembro, no Cerrado já foram registrados mais de 40 mil focos de incêndios, que representa 28% dos registros no país. E somente  nas duas primeiras semana de setembro ocorreram mais 13 mil registros, demonstrando que setembro foi o mês que mais se intensificou as queimadas. E de acordo com levantamento e imagens de satélites do Instituto Nacional de Pesquisa Espacial (Inpe), o número de incêndios tem aumentado por todo o território brasileiro, mas infelizmente o Cerrado, a Amazônia e o Pantanal são os territórios mais impactados.

Os dados do INPE e as investigações da Polícia Federal apontam que, a grande maioria dos incêndios foram causados pela ação criminosa do agronegócio. E diferente do discurso falso do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que acusa indígenas e caboclos como responsáveis pelas queimadas, seu governo é acusado de não agir com eficácia no combate aos crimes ambientais, entre eles os desmatamento e os incêndios, que contam com a cumplicidade do Ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salle. 

Os efeitos dos incêndios à sociobiodiversidade brasileira não se reduz aos biomas em si, se configura como  um atentado contra a vida do planeta, nossa casa comum. As queimadas criminosas têm sido usadas como armas para saquear e  expulsar as guardiãs e os guardiães dos campos e florestas, destruindo a biodiversidade, desestabilizam os ecossistemas, influenciando às mudanças climáticas, e impactando o Bem Viver no campo e nas cidades. As consequências são inúmeras e já são sentidas em muitas regiões, como escassez hídrica, aumento da temperatura e a perda da fauna e flora.

Saiba mais: Radar das Queimadas no Cerrado: mais de 18% das queimadas do país em agosto foram registradas no Cerrado

Campanha Radar das Queimadas no CerradoPara acompanhar mais de perto a situação das queimadas no Cerrado nos meses de setembro a novembro de 2020, a Articulação das CPT’s do Cerrado com apoio de parceiros, organizações e comunidades promovem a Campanha Radar das Queimadas no Cerrado. Durante esse período crítico que cresce as queimadas, os agentes, parceiros e colaboradores da CPT estarão nos territórios junto às comunidades e povos, fazendo o levantamento de informações e realizando divulgação dos impactos das queimadas no Cerrado e nas Comunidades Tradicionais.

Para ajudar nesse processo, foi elaborado um formulário online com doze questões, que tem por objetivo levantar dados e informações durante os meses de setembro, outubro e novembro, período da Campanha Radar das Queimadas no Cerrado.

 

Acesse o formulário e ajude no monitoramento: clique aqui

Gostou dessa informação?

Quer contribuir para que o trabalho da CPT e a luta dos povos do campo, das águas e das florestas continue? 

Clique aqui e veja como contribuir