COMISSÃO PASTORAL DA TERRA

 

 

 

III Congresso Nacional da CPT

Montes Claros recebe III Congresso Nacional da CPT

Para Dom José Moura, bispo da Diocese de Montes Claros, que acolhe o evento, o III Congresso Nacional da CPT é uma graça de Deus não só para a cidade, mas para todo o Brasil. “A ação pastoral é o próprio exercício do pastoreio de Jesus Cristo. Nesse caso, as ações da CPT dão visibilidade da promoção da dignidade da pessoa humana, principalmente do campo, que muitas vezes é deixada de lado, fica desprotegida e é ainda perseguida e incompreendida, por grandes e por pequenos”, ressaltou.…

Leia mais:

Os Congressos Nacionais anteriores da CPT

Os congressos realizados pela Comissão Pastoral da Terra possuem um caráter celebrativo. Neles são definidos os grandes eixos de ação da entidade. O primeiro Congresso aconteceu em 2001, na cidade de Bom Jesus da Lapa, BA, do dia 28 de maio a 1 de junho. Nele a CPT definiu três eixos de ação: Terra, Água e Direitos Humanos. O segundo Congresso foi realizado em 2005, na Cidade de Goiás, Goiás, de 14 a 18 de junho. Confira o histórico dos Congressos realizados pela CPT até hoje. Veja os documentos que saíram desses momentos.…

Leia mais:

Será realizado na próxima semana o III Congresso Nacional da CPT

Com o lema “No clamor dos povos da terra, a memória e a resistência em defesa da vida”, a Comissão Pastoral da Terra (CPT) realiza seu terceiro Congresso Nacional, na cidade de Montes Claros (MG), semiárido brasileiro. Entre os dias 17 e 21 de maio, o evento irá receber cerca de 800 pessoas, entre agentes da pastoral da terra, trabalhadores, trabalhadoras, convidados, representantes de movimentos sociais e estudiosos de todo o país.…

Leia mais:

Montes Claros espera de braços abertos o Congresso da CPT

Montes Claros, às margens do rio Verde Grande, afluente do São Francisco, na região Norte de Minas Gerais, cidade com uns 400.000 habitantes, vai acolher o III Congresso da CPT. Situa-se na região conhecida como Área Mineira do Nordeste. A região compõe o semiárido e é formada pelos ecossistemas de Cerrado e Caatinga. A região é marcada por carvoarias e pela monocultura do eucalipto, com o objetivo de atender à crescente demanda por carvão vegetal para o pólo siderúrgico do Estado, e por madeira para as indústrias de papel e celulose. As empresas de reflorestamento têm destruído o Cerrado e se apropriado das terras, antes usadas coletivamente pelas comunidades dos geraizeiros em suas estratégias de reprodução e que preservavam a agrobiodiversidade local.…

Leia mais: