COMISSÃO PASTORAL DA TERRA

 

 

 

A exposição que retrata a identidade do quilombo-indígena Tiririca dos Crioulos - localizado no município de Carnaubeira da Penha, sertão de Pernambuco – será aberta ao público, no Recife, a partir deste sábado, 05 de agosto, no Museu da Abolição, bairro da Madalena.

(CPT Nordeste II / Imagem: Carmelo Fioraso)

Intitulada “Tiririca dos Crioulos: pessoas fortes na luta”, a exposição está repleta de peças e objetos cheios de valor simbólico, que contam histórias e segredos da comunidade, além de conter imagens antigas e recentes de membros do quilombo-indígena, desenhos feitos pelas crianças, músicas utilizadas nos rituais e vídeo sobre as referências culturais da comunidade.

 “Estávamos ansiosos para esse momento”, revela Alexsandra dos Santos Sá, da comunidade. A quilombola-indígena ressalta que a exposição é muito importante para dar visibilidade à luta, à história e à identidade de Tiririca dos Crioulos. O contexto da comunidade, assim como o da quase totalidade dos quilombos e povos indígenas no estado, é ainda de muita luta pelo reconhecimento e titulação de seus territórios tradicionalmente ocupados.

A exposição é resultado de um processo de pesquisa-ação que durou três anos e envolveu toda a comunidade. A iniciativa ocorre no âmbito projeto "Do Buraco ao Mundo: percepções sobre o patrimônio cultural da Tiririca dos Crioulos", do programa Rumos, que visa contribuir para dar mais visibilidade à cultura e a herança de Tiririca dos Crioulos. Através do projeto, a comunidade já lançou um livro que narra a história do quilombo-indígena, além de um CD com registros de tradições musicais locais, entre outros instrumentos de comunicação e divulgação.

Serviço:

O que: Exposição “Tiririca dos Crioulos: pessoas fortes na luta”

Quando: Dia 05 de agosto (a partir das 14hrs) até o mês de outubro

Onde: Museu da Abolição – Bairro da Madalena, Recife-PE.

Entrada: Gratuita

Gostou dessa informação?

Quer contribuir para que o trabalho da CPT e a luta dos povos do campo, das águas e das florestas continue? 

Clique aqui e veja como contribuir