COMISSÃO PASTORAL DA TERRA

 

 

Filho de pequenos agricultores, nascido em 30 de novembro de 1943, na localidade conhecida de Pocinho, paróquia de Catanduvas do Sul, município de Contenda (PR), Padre Dionísio Kuduavizcz faleceu ontem (19), em Rondônia, vítima de Covid-19. Em 1969, um grupo de teólogos discordando da linha de formação teológica foram forçados a se retirarem do seminário. Este grupo buscou o Instituto Teológico de Curitiba para concluir os estudos de forma independente do Seminário. Concluindo os estudos procurou o bispo de Rondonópolis (MT), que o aceitou em sua prelazia (hoje diocese). No município, exerceu inicialmente a função de coordenador de pastoral da Prelazia e, posteriormente, criou a Comissão Pastoral da Terra do Mato Grosso, da qual foi o primeiro coordenador.

Como coordenador da CPT MT atuou na defesa de diversas comunidades de posseiros que na década de 1970 estavam sofrendo despejos violentos por parte de jagunços a serviço de fazendeiros. Neste sentido a luta junto aos posseiros da Cascata, em Rondonópolis, foi destaque. Após 10 anos de serviços prestados na diocese de Rondonópolis, foi exercer seu sacerdócio junto às comunidades ribeirinhas na diocese de Itacoatiara (AM). Anos depois foi trabalhar em Rondônia, na cidade de Machadinho D'Oeste, da arquidiocese de Porto Velho. Confira Nota de Pesar da Comunidade da Gleba Cascata ao companheiro Padre Dionísio:

Nossa eterna Gratidão

Falar do Padre Dionísio é uma tarefa difícil, principalmente quando a tristeza bate a nossa porta porque acabamos de perdê-lo para a Covid-19. As lágrimas passam pelos nossos olhos constantemente e o vazio da saudade aumenta o sofrimento. Sofrimento e vida, que poderia ter sido poupada com medidas eficazes no combate à pandemia.

Padre Dionísio é parte de nossas vidas e de nossa luta pelo acesso a um pedaço de chão. Na década de 1970 a 1980 em pleno regime militar que tanto nos oprimia, aproximadamente 350 famílias lutando para sustentar seus filhos e sem apoio das instâncias governamentais e com mandado de despejos judiciais, vivenciávamos também a recusa das paróquias em celebrar na nossa comunidade, para não se envolver no conflito, deixando claro sua opção pelo latifúndio. Surgiu do clamor do povo o Padre Dionísio, que aceitou celebrar nesta comunidade, e não se limitou apenas à celebração. Abraçou a luta destas famílias como se sua fosse, mesmo sendo ameaçado por pistoleiros, políticos e imprensa. Em resumo, lhe faltava apoio até de própria diocese. Mesmo com tantos obstáculos, o Padre Dionísio não nos abandonou e esteve à frente de nossas batalhas até a vitória tão sonhada por todos.

Hoje (19), com muita tristeza, dedicaremos este dia para relembrar os bons momentos que foram compartilhados, e como a presença de uma pessoa tão querida foi capaz de transformar tantas vidas. Se nossas famílias conquistaram um teto para morar e terra para trabalhar, devemos grande parte desta conquista ao saudoso Padre Dionísio, que para sempre estará na nossa memória e influenciará eternamente a nossa história. Ele deixa um vazio que jamais será preenchido!

Gleba Cascata (MT), 19 de abril de 2021.

Velhos companheiros da Gleba Cascata (MT)