COMISSÃO PASTORAL DA TERRA

 

 

 

Hoje, 22 de junho de 2015, a CPT celebra seus 40 anos de existência, junto aos “últimos dos últimos”, às causas mais justas e às lutas por dignidade e justiça social.

 

 

A Comissão Pastoral da Terra (CPT) nasceu durante o Encontro de Bispos e Prelados da Amazônia, convocado pela Comissão Brasileira de Justiça e Paz (CBJP), e realizado em Goiânia (GO). Desde o início a CPT desenvolveu junto aos trabalhadores e trabalhadoras da terra um serviço pastoral. Na definição de Ivo Poletto, que foi o primeiro secretário da entidade, "os verdadeiros pais e mães da CPT são os peões, os posseiros, os índios, os migrantes, as mulheres e homens que lutam pela sua liberdade e dignidade numa terra livre da dominação da propriedade capitalista". 

Fundada em plena ditadura militar, como resposta à grave situação dos trabalhadores rurais, posseiros e peões, sobretudo na Amazônia, a CPT teve um importante papel. Ajudou a defender as pessoas da crueldade deste sistema de governo, que só fazia o jogo dos interesses capitalistas nacionais e transnacionais, e abriu caminhos para que ele fosse superado. Ela nasceu ligada à Igreja Católica. O vínculo com a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) ajudou a CPT a realizar o seu trabalho e a se manter, no período em que a repressão da ditadura militar atingia agentes de pastoral e lideranças populares. Mas já nos primeiros anos, a entidade adquiriu um caráter ecumênico, tanto no sentido dos trabalhadores que eram apoiados, quanto na incorporação de agentes de outras igrejas cristãs, destacadamente da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - IECLB. 

Os posseiros da Amazônia foram os primeiros a receber atenção da CPT. Rapidamente, porém, a pastoral da terra estendeu sua ação para todo o Brasil, pois os lavradores, onde quer que estivessem, enfrentavam sérios problemas. Assim, a CPT se envolveu com os atingidos pelos grandes projetos de barragens e, mais tarde, com os sem-terra. Terra garantida ou conquistada, o desafio era o de nela sobreviver. Por isso, a Agricultura Familiar mereceu um destaque especial no trabalho da entidade, tanto na organização da produção, quanto da comercialização. A CPT junto com seus parceiros foi descobrindo que esta produção precisava ser saudável, que o meio ambiente tinha que ser respeitado, que a água é um bem finito. As atenções, então, se voltaram para a ecologia. 

 

A CPT também atua junto aos trabalhadores assalariados e os boias-frias, que conseguiram, por algum tempo, ganhar a cena, mas que enfrentam dificuldade de organização e articulação. Além destes, há ainda os "peões", submetidos, muitas vezes, a condições análogas às da escravidão.

Em cada região, o trabalho da CPT adquiriu uma tonalidade diferente de acordo com os desafios que a realidade apresentava; sem, contudo, perder de vista o objetivo maior de sua existência: ser um serviço à causa dos trabalhadores rurais, sendo um suporte para a sua organização. O homem do campo é que define os rumos que quer seguir, seus objetivos e metas. A CPT o acompanha, não cegamente, mas com espírito crítico. É por isso que a CPT conseguiu, desde seu início, manter a clareza de que os protagonistas desta história são os trabalhadores e trabalhadoras rurais. 

Finalmente, os direitos humanos, defendidos pela CPT, permeiam todo o seu trabalho. Em sua ação, explícita ou implicitamente, o que sempre esteve em jogo foi o direito do trabalhador, em suas diferentes realidades. De tal forma que se poderia dizer que a CPT é também uma entidade de defesa dos Direitos Humanos ou uma Pastoral dos direitos dos trabalhadores e trabalhadoras da terra.

Em 1997, foi criada a Campanha da CPT de Combate ao Trabalho Escravo - “DE OLHO ABERTO PARA NÃO VIRAR ESCRAVO”, para atuar diretamente na denúncia dessa prática que ainda persiste em nosso país. Em 2005, a CPT criou o projeto “São Francisco Vivo”, para defender esse importante rio brasileiro contra a ganância dos grandes projetos, e das falsas promessas propaladas sobre a transposição como única alternativa para salvar o povo sertanejo da seca.

Desde sua criação, a CPT viu a necessidade de documentar os conflitos que aconteciam no campo, envolvendo violências, expulsões e várias outras investidas contra o povo do campo. Em 1985, de forma mais sistematizada e com análises de acadêmicos e agentes de Pastoral, começou a ser publicado o relatório anual Conflitos no Campo Brasil. Em 2002, tal publicação foi reconhecida como publicação científica pelo Instituto Brasileiro de Informação e Ciência e Tecnologia (IBICT). A CPT, com este trabalho, tornou-se a única entidade no mundo a realizar tão ampla pesquisa da questão agrária em escala nacional, e os seus dados são utilizados por várias instituições de ensino, pesquisadores, instâncias governamentais, entidades internacionais e pela imprensa. Ao mesmo tempo em que comemoramos os 40 anos da CPT, comemoramos, também, os 30 anos desse relatório.

Organização

A CPT está organizada em todo o Brasil em 21 regionais, uma Secretaria Nacional e 96 equipes de base, compostas por aproximadamente 725 agentes, sendo que cerca de 72% deles são voluntários.

Em 1991, o MST e a CPT receberam o prêmio da Fundação Right Livelihood Award (Prêmio Nobel Alternativo de Direitos Humanos), concedido pelo trabalho de ambos os movimentos em favor da justiça e dos direitos dos pequenos agricultores e campesinos do Brasil.

No mesmo ano, em 1991, a CPT foi incluída como membro da Pax Christi Internacional. A CPT tornou-se a representante da entidade no Brasil. Pax Christi foi fundada na França, em 1945. Constitui-se em um movimento católico e uma Rede pela Paz, Respeito aos Direitos Humanos, Justiça e Reconciliação em regiões devastadas por conflitos. Hoje conta com mais de 100 Organizações-Membro e atua em mais de 50 países dos cinco continentes. Ela tem, ainda, status consultivo junto à ONU, à Unesco e ao Conselho da Europa.

A CPT se articula com as Pastorais Sociais, ligadas à CNBB, com as Pastorais do Campo, com a Via Campesina, com a CLOC-Via Campesina, com a Articulação Nacional de Agroecologia (ANA), com a Plataforma Dhesca, com a Rede Brasileira de Justiça Ambiental, com o Movimento Nacional de Direitos Humanos (MNDH), entre outros.

 

Mais informações:

Cristiane Passos (assessoria de comunicação CPT Nacional) – (62) 4008-6406 / 8111-2890

Antônio Canuto (assessoria de comunicação CPT Nacional) – (62) 4008-6412

Elvis Marques (assessoria de comunicação CPT Nacional) – (62) 4008-6414

www.cptnacional.org.br

@cptnacional

CPT 40 Anos

Gostou dessa informação?

Quer contribuir para que o trabalho da CPT e a luta dos povos do campo, das águas e das florestas continue? 

Clique aqui e veja como contribuir