COMISSÃO PASTORAL DA TERRA

 

 

 

Um país que é o mais rico em água doce do mundo

Que tem a maior malha hídrica de rios do planeta

Que tem chuva em todo território nacional

 

(Por Roberto Malvezzi, Gogó*)

Quem tem seu ciclo das águas potencializado pela floresta Amazônica,

Que distribui suas águas pelo Amazonas Voador que vai até Buenos Aires

Ou até mesmo até a Patagônia

Que armazena as chuvas desse rio nos aquíferos do Cerrado

Ou até mesmo no Aquífero Guarani

Que tem um único rio que sai do Sul para o Norte, pela Depressão Sertaneja

E que se chama rio São Francisco

E que é alimentado pelas águas do Cerrado

Mas, que tem uma elite econômica e política que vê as florestas e as águas como inimigas

Que para produzir tem que destruir

Ou acha que riqueza é soja, boi e eucalipto, mas não a água, as florestas e sua biodiversidade

Que faz obras hídricas faraônicas, mas é incapaz de lançar um olhar sobre o manancial de onde essa água sai

Ou faz a água faltar nas casas e torneiras do povo

Que insiste em privatizar os mananciais ou o uso da água

Que polui seus rios e esgota seus aquíferos

Esse país merece a observação de um Papa argentino chamado Francisco: “O criador foi pródigo com o Brasil. Concedeu-lhe uma diversidade de biomas que lhe confere extraordinária beleza. Mas, infelizmente, os sinais da agressão à criação e da degradação da natureza também estão presentes”

Esse país precisa de uma profunda conversão ecológica

E desenvolver uma nova cultura da água.

LEIA MAIS: Transposição, a hora da verdade

Aprender a pensar a vida e o Brasil a partir dos seus biomas

Bispo rebelde da Patagônia visita um dos maiores conflitos por água e terra no Chile

* Atua na Comissão Pastoral da Terra (CPT) e no Conselho Pastoral dos Pescadores na região do São Francisco. Articulista do Portal EcoDebate, e possui formação em Filosofia, Teologia e Estudos Sociais.

Gostou dessa informação?

Quer contribuir para que o trabalho da CPT e a luta dos povos do campo, das águas e das florestas continue? 

Clique aqui e veja como contribuir