COMISSÃO PASTORAL DA TERRA

 

 

Quase 70 anos após o fim da Segunda Guerra, o governo federal começou a indenizar no dia 2 de março os "soldados da borracha", como ficaram conhecidos os retirantes recrutados no Nordeste para extrair o produto na Amazônia e abastecer a indústria bélica americana.

 

(Fonte: Lucas Reis – Folha de S.Paulo)

 

Cada soldado e descendente (são 11.900 ao todo), receberá indenização de R$ 25 mil até o fim do ano. Segundo a Previdência Social, o montante será de R$ 289 milhões.

 

Mais da metade dos beneficiários é do Acre (6.895), seguido pelo Amazonas (1.917).

 

Entre 1942 e 1945, mais de 50 mil pessoas desembarcaram na Amazônia com falsas promessas de fartura, benefícios trabalhistas e até pedaços de terra. A mobilização foi orquestrada pelos EUA, impossibilitados de extrair borracha no sudeste asiático, sob domínio do Japão.

 

Terminada a guerra, em setembro de 1945, mais da metade dos seringueiros havia morrido na mata ou durante as longas jornadas entre o Nordeste e a Amazônia.

 

Recrutados com status de heróis de guerra pelo governo jamais foram desmobilizados ou levados de volta às suas cidades de origem.

 

Atualmente, restam pouco mais de 5.000 ex-soldados vivos. A categoria busca os mesmos direitos dos brasileiros que lutaram na Europa.

 

Desde 1988, os "soldados da borracha" recebem dois salários mínimos – os ex-combatentes recebem sete salários, abono, assistência médica e outros benefícios.

 

Em janeiro, a Folha mostrou a história dos seringueiros, que à época esperavam pela indenização

 

O valor a ser pago é fruto de uma PEC (Proposta de Emenda à Constituição), promulgada pelo Congresso no ano passado. "A indenização foi determinada como forma de reconhecimento pelo nobre serviço que esses trabalhadores prestaram ao país", disse o ministro Carlos Eduardo Gabas (Previdência).

 

Os ex-seringueiros, porém, ainda buscam reparação maior. O Sindsbor (Sindicatos dos Soldados da Borracha e Seringueiros de Rondônia) pretendia obter R$ 800 mil para cada um e tem duas ações em andamento contra a União: por violação dos direitos humanos e exigindo direitos trabalhistas retroativos.

 

Em dezembro, a DPU (Defensoria Pública da União) ingressou com uma Ação Civil Pública contra a União – juntamente com a Defensoria Pública do Pará – que reivindica indenização de R$ 200 mil para cada ex-seringueiro, extensível aos dependentes. Segundo a DPU, o caso poderá ser levado à Corte Interamericana de Direitos Humanos. 

 

Gostou dessa informação?

Quer contribuir para que o trabalho da CPT e a luta dos povos do campo, das águas e das florestas continue? 

Clique aqui e veja como contribuir