COMISSÃO PASTORAL DA TERRA

 

 

 

A Tenda do Rio Pacaás Novos, um dos espaços de debate e apresentação de experiências durante o IV Congresso Nacional da CPT, acolheu três experiências narradas pelos próprios protagonistas dessas historias que, imbuídos pelo espírito de Rebeldia, têm enfrentado o projeto de exclusão e extermínio que a classe trabalhadora do campo vem sofrendo.

 

(Equipe de Comunicação João Zinclar - IV Congresso Nacional da CPT

Imagem: Joka Madruga)

Mas os relatos de experiências vividas e apresentadas por companheiros e companheiras do Piauí e Mato grosso mostraram que na luta do povo ninguém se cansa, pois quando os trabalhadores/as se organizam e ocupam terras que não estão cumprindo sua função social. E desse chão o povo camponês faz brotar alimentos saudáveis. Todavia, sofrem violações por parte de membros do Judiciário que, como relatado nas histórias, caminham lado a lado com os latifundiários, e despejam esses povos do campo.

Foi assim no Assentamento Rio Preto, do município de Bom Jesus do Gurguéia, e no Acampamento Boa Esperança, localizado às margens da Fazenda Araúna, no município de Novo Mundo, no Mato Grosso. Essas experiências foram partilhadas durante o segundo dia do IV Congresso.

Mesmo ambos tendo sofrido ações de despejo, os companheiros/as não desanimaram da luta e do sonho de conquistar um pedaço de chão. "Não podemos ter medo dos pistoleiros e das ameaças de morte", disse um camponês durante partilha das experiências.   

Nesse mesmo espaço de debate, foi apresento ainda uma experiência sobre a Jornada de Agroecologica do Paraná, o que tem entusiasmado agricultores a resgatarem sua cultura e a pratica com sementes crioulas. Assim, têm surgido as feiras de sementes crioulas com objetivo de os agricultores trocarem saberes a cerca dessas "sementes que de tão especial estavam na pedagogia de Jesus", afirmou um participante.

Após a apresentação das histórias de luta, foi momento de ouvir a Fila Povo, espaço em que os trabalharoes/as, agentes e demais participantes compartilham suas opiniões. ‘’Com a semente crioula a gente planta e mete medo’’, gritou um trabalhador. Outro contou que tem 300 variedades de sementes crioulas plantadas em três hectares.

Acesse todas as informações do Congresso aqui

 

Gostou dessa informação?

Quer contribuir para que o trabalho da CPT e a luta dos povos do campo, das águas e das florestas continue? 

Clique aqui e veja como contribuir