COMISSÃO PASTORAL DA TERRA

 

 

 

Dos cinco cantos do chão do Brasil, trabalhadores e trabalhadoras rurais, camponeses e camponesas, povos tradicionais, agentes pastorais, militantes de organizações sociais, comunidades eclesiais, pesquisadores e pesquisadoras relatam suas trajetórias de viagem e expectativas quanto a chegança ao IV Congresso Nacional da Comissão Pastoral da Terra (CPT), em Porto Velho (RO), na região amazônica brasileira, entre os dias 13 e 17 de julho. Confira:

 

(Equipe de Comunicação do IV Congresso/Imagem: Douglas Mansur)

Padre Kleber, da Diocese de Chapecó (SC), e Tairi, do Movimento dos Pequenos dos Agricultores (MPA), Sul de Santa Catarina - “A viagem foi cansativa, mas também repleta de muita ansiedade para chegar na Amazônia”, disse Tairi. Para Padre Kleber, a expectativa do IV Congresso inspira a memória em relação à história da CPT e a resistência dos povos do campo. “A participação no congresso alimenta a se reencantar na luta”, afirmou.

Muriely e Denise, agentes voluntárias da CPT no Mato Grosso – As agentes relataram que a delegação saiu da região do Araguaia na sexta-feira (10) pela manhã, se encontraram com os trabalhadores do norte do MT e seguiram viagem em direção a Porto Velho (RO). Elas contaram que a viagem foi animada por muitos cânticos, partilha de alimentos e um excelente ambiente de integração durante as quase 40 horas de viagem. As agentes também falaram sobre a importância do Congresso a partir da vivência, da troca de experiências e do fortalecimento do trabalho na caminhado da luta do povo trabalhador do campo.

 

Confira também o vídeo com as expectativas dos Congressistas para o #IVCongressoDaCPT

Fernando Jorge Alves de Oliveira, trabalhar rural e agente pastoral- Crato (CE) - “A viagem foi muito animada, apesar do cansaço”. Fernando falou também sobre suas expectativas quanto ao Congresso, que acredita ser um momento de aprendizagem e troca de experiências e novas expectativas de mudanças para o crescimento.

Bárbara Dias, agente voluntária da CPT Araguaína, Tocantins - “Nós encontraríamos com a equipe da CPT Marabá, entretanto, houve um grande atraso na liberação do ônibus da equipe, por isso seguimos adiante”, contou Bárbara. A viagem durou cerca de 44 horas. Foi uma viagem repleta de muita cantoria, janta e almoço coletivo. "Compramos marmita ao longo da viagem, dividimos com os companheiros e companheiras", contaram. “Estava muito ansiosa para chegar e poder aprender com o povo camponês suas sabedorias e histórias de vida”, disse Bárbara.

Viviane Ramiro, Marcelo Vianna e Felipe Romano – agentes da CPT Campos, Rio de Janeiro - “A viagem contou com a solidariedade de uma educadora do Saberes da Terra de Campos (RJ), que nos conduziu do interior fluminense até a capital do Rio de Janeiro para pegar o voo. Do Rio de Janeiro, os agentes seguiram para Cuiabá, onde fomos recebidos pelas irmãs missionárias de Bom Jesus em Várzea Grande (MT). No dia seguinte, após café da manhã, seguimos viagem para Porto Velho”. Quanto as expectativas de participação do IV Congresso, nós iremos contribuir com as equipes de trabalho, além de participar de outras atividades.

 

Gostou dessa informação?

Quer contribuir para que o trabalho da CPT e a luta dos povos do campo, das águas e das florestas continue? 

Clique aqui e veja como contribuir