COMISSÃO PASTORAL DA TERRA

 

 

Bombeiros seguem buscas por garoto de 8 anos; primo dele, de 5 anos, foi encontrado sem vida no rio Uraricuera, no município de Alto Alegre, em Roraima

Via Daniel Biasetto/globo.com 
Foto: Chico Batata/Greenpeace

O que era para ser mais um dia de brincadeiras no rio que  banha a comunidade Makuxi Yano, região do Parima, Terra Indígena Yanomami, em Roraima, acabou em tragédia no final da tarde desta terça-feira, dia 12 de outubro. Duas crianças que nadavam perto de uma balsa de garimpeiros foram , de acordo com  lideranças locais, "sugadas" pela draga que faz a retirada de  minérios na região do rio Uraricuera, no município de Alto Alegre. Nesta quarta-feira, um dos meninos, de 5 anos, foi encontrado sem vida. O outro, primo dele,  de 8 anos, segue desaparecido.

- A draga gigante puxou as crianças, sugou as crianças e elas desapareceram. É uma situação grave, estamos preocupados, muito tristes e revoltados. Para nós Yanomami e Yekuana as vidas das crianças são sagradas, pois serão futuros guerreiros - afirmou ao GLOBO Dario Kopenawa Yanomami, vice-presidente da Hutukara Associação Yanomami, nesta quinta-feira.

De acordo com Dario, as crianças estavam brincando quando foram sugadas e cuspidas para o meio do rio e depois levadas pelas correntezas.

- As crianças estavam brincando no rio, banhando. Elas já são acostumadas. Não precisam ir acompanhados dos pais, porque desde que quando nascem já aprendem a atravessar e nadar nos rios. Tudo isso faz parte da nossa cultura, isso nunca tinha acontecido.

Dario afirma que a balsa de garimpeiros onde está localizada a draga fica a apenas 300 metros da comunidade Makuxi Yano, na calha do rio Uraricuera e atua, de maneira ilegal, há seis anos sem que nunca tenha sido incomodada pelas autoridades.

- Um dos mais antigos garimpos da região do Parima e que nunca teve uma operação contra eles, nem Polícia Federal, Exército, Ibama, nunca pisou lá. Os maquinários continuam na ativa.

Bombeiros continuam as buscas

A denúncia do desapareciimento das crianças foi feita pelo Conselho de Saúde Indígena Yanomami e Ye'kuana (Condisi-YY). Dario afirma que a Fundação Nacional do Índio (Funai) foi avisada, mas não deu retorno aos indígenas. Procurada pelo GLOBO, o órgão ainda não se manifestou.

Em nota, o Corpo de Bombeiros Militar de Roraima afirma que enviou, na tarde de quarta-feira, por volta das 16h30, uma equipe de quatro mergulhadores para realizar as buscas pelas duas crianças indígenas vítimas de afogamento na região do Parima.

"Devido a distância e a dificuldade de acesso, o CBMRR ficou aguardando a disponibilização de uma aeronave pela autoridade indígena solicitante, o que só ocorreu no final da tarde. Os mergulhadores estão no local realizando as buscas desde as primeiras horas desta quinta-feira", conclui a nota.

Tragédia virou rotina

Mais de 20 mil garimpeiros continuam a explorar ilegalmente a Terra Indígena Yanomami mesmo com ordens do Supremo Tribunal Federal (STF) e da Justiça Federal para a retirada dos invasores. De acordo com a Hutukara, até setembro de 2021, a área de floresta destruída  superou a marca de 3 mil hectares - um aumento de 44% em relação a dezembro do ano passado.

Foto Divulgação 

Somente na região do Parima, onde está localizada a comunidade de Macuxi Yano e uma das mais afetadas pela atividade ilegal, 118,96 hectares de floresta  foram devastados, o que representa um aumento de 53% sobre dezembro de 2020. Além das regiões já altamente impactadas, como Waikás, Aracaçá, e Kayanau, o garimpo avança sobre novas regiões: em Xitei e Homoxi, a atividade teve um aumento de 1000% entre dezembro e setembro de 2021.

"o aumento da atividade garimpeira ilegal na Terra Indígena Yanomami está se refletindo em mais insegurança, violência, doenças, e morte para os Yanomami e Ye’kwana. As autoridades brasileiras precisam continuar atuando para proteger a Terra-Floresta, e impedir que o garimpo ilegal continue ameaçando nossas vidas", diz nota da Hutukara.