COMISSÃO PASTORAL DA TERRA

 

 

 

Nos dias 03 e 04 de maio aconteceu na Comunidade Quilombola de Mutuca de Cima, em Minas Gerais, o Encontro de Mulheres Camponesas, que contou com a participação de cerca de 30 mulheres das comunidades: Mutuca de Cima (município Coronel Murta), Cabeceira do Piabanha, Assentamento Dom Luciano (ambas do município Salto da Divisa), Cabaceira (município de Itacarambi no Norte de Minas).

irmã Letícia Rocha e Luziete Rodrigues Novais*


Quando uma Mulher avança, nenhum Homem retrocede! ”

Lutamos por direitos igualitários para mulheres e homens,

capazes de construírem uma sociedade digna de Deus e toda a Criação!


Nos dias 03 e 04 de maio aconteceu na Comunidade Quilombola de Mutuca de Cima, em Minas Gerais, o Encontro de Mulheres Camponesas, que contou com a participação de cerca de 30 mulheres das comunidades: Mutuca de Cima (município Coronel Murta), Cabeceira do Piabanha, Assentamento Dom Luciano (ambas do município Salto da Divisa), Cabaceira (município de Itacarambi no Norte de Minas). A Comissão Pastoral da Terra em Minas Gerais, Conselho Pastoral dos Pescadores, a Congregação das Irmãs da Divina Providência e representantes do Fórum de Enfrentamento a Violência Contra as mulheres no Médio Jequitinhonha, também participaram da atividade.

O encontro faz parte de uma série de atividades previstas no Projeto em curso: No processo de transformação da mandioca em sustentabilidade: resgatar a dignidade feminina e proporcionar o empreendedorismo das mulheres! Este projeto está sob Coordenação da CPT Minas Gerais e das Irmãs da Divina Providência.

Ambas as entidades, no cotidiano de suas experiências pastorais no trabalho com mulheres, diagnosticaram muitos casos de mulheres lideranças, e em alguns casos agentes pastorais, que vivem sofrendo a violência física e simbólica, praticada por seus companheiros. Neste sentido, o projeto supracitado, objetiva a construção de um processo de conscientização e libertação dessas mulheres, através de processos formativos que as empoderem na conquista de relações econômicas e de gênero mais equitativas, em vista da construção de um mundo melhor.

Neste primeiro Encontro buscamos, a partir da vivência das mulheres nas comunidades onde estão inseridas, irmos definindo com as participantes as questões referentes a identidade de gênero, Feminismo, tipos de violência doméstica e a Lei Maria da Penha (as dificuldades e caminhos para acessá-la). Também dialogamos sobre os desafios frente ao ceifamento das políticas públicas voltadas para o combate à violência das mulheres, no atual desgoverno Bolsonaro: misógino, homofóbico, machista e racista.

Avaliamos o Encontro como um rico momento de diálogo entre as mulheres, permeado por um misto de sentimentos de solidariedade e ternura; dor e ansiedade das participantes, pois reconheceram, em seus corpos, as memórias das experiências de caminhos de libertação já trilhados ou a serem conquistados, com a superação dos ciclos de violência vivenciados por muitas.

Saímos do Encontro com o compromisso de irmos contagiando ao nosso redor as pessoas com a necessária Esperança da construção de um mundo igualitário para mulheres e homens!

Alguns ecos...

Quando eu era mais jovem, se eu tivesse a oportunidade de participar de encontros como estes, eu não teria passado ou estaria sofrendo tanta violência hoje”.

Quando tive que me separar, porque não aguentava mais sofrer, tive que criar seis filhos pequenos com muita dificuldade, trabalhei muito e conseguir criar os meus filhos com muita dificuldade, com muita garra e luta e eu não me arrependo nem um minuto do que fiz, faria tudo de novo, valeu muito a pena”.

Tenho muitos problemas, mas a alegria é a solução. ”


* CPT
Minas Gerais

Gostou dessa informação?

Quer contribuir para que o trabalho da CPT e a luta dos povos do campo, das águas e das florestas continue? 

Clique aqui e veja como contribuir