COMISSÃO PASTORAL DA TERRA

 

 

 

O fotógrafo João Zinclar (1956 – 2013), o “operário da fotografia”, como gostava de se apresentar, terá sua obra revista em homenagem que ocorrerá nesta sexta-feira, dia 19 de janeiro, às 19h30, no Sindimetal Campinas, em São Paulo. Hoje, completam-se cinco anos da morte de Zinclar.

 

(Fonte: Carta Campinas com informações da organização do evento)

Durante o evento, o público poderá conhecer parte do seu rico acervo, que hoje se encontra no Museu da Imagem e do Som (MIS) de Campinas. Haverá, ainda, projeção do filme depoimento por ele prestado ao setor de História Oral do MIS, editado por Carlos Tavares e Sônia Oliveira, e uma rodada de depoimentos de pessoas que trabalharam e conviveram com o fotógrafo, e analisaram sua obra.

Ele foi dirigente sindical metalúrgico do SindiMetal Campinas, militante político que colocou sua arte a serviço das lutas sociais pelo país afora. As imagens que realizou são, portanto, parte da ação de um trabalhador que soube identificar as transformações na cultura visual e no cenário político brasileiro nas décadas de 1980 e 1990, e perceber a necessidade de produzir registros das lutas populares sob a ótica de quem vive o movimento por dentro. No início do século 21 foi do analógico ao digital, sem receio de enfrentar os embates entre técnica e estética.

Em 2009, lançou o livro fotográfico “O Rio São Francisco e as Águas no Sertão”, um registro da cultura do povo ribeirinho e sua luta em defesa do rio. A obra é resultado dos cinco anos em que Zinclar percorreu as margens do Rio São Francisco em oito estados.

LEIA TAMBÉM: João Zinclar presente no IV Congresso da CPT!

João Zinclar. Um ano sem ele

Adeus a João Zinclar, o fotógrafo do Rio São Francisco

O olhar revolucionário por trás das lentes do fotógrafo das lutas João Zinclar

Colaborou em publicações de movimentos populares no Brasil, Inglaterra, Alemanha e no México, além de boletins sindicais, blogs, sites, calendários e outros veículos da imprensa alternativa e popular.

Sobre seu próprio trabalho, declarava: “Faço fotografia, faço denúncia (…), se não fosse a luta de classes talvez eu estivesse fotografando a obviedade do mundo (…) e o jornalismo diário convencional”.

Crianças buscam água e se refrescam em rio do município de Orocó, em Pernambuco. Um dos belos registros de João Zinclar.

Mas: “Sou um comunista que se orienta pelos valores e pela teoria marxista de como interpretar e procurar transformar esse mundo (…). O que me motiva a fotografar é a luta de classes (…). Antes de ser fotógrafo, sou um militante. A máquina nada mais é que um instrumento a serviço das mudanças sociais”.

O acervo de João Zinclar reúne imagens que registram inquietações sobre sonhos, frustrações, vitórias, projetos, desejos, contradições e as impermanências com as quais a vida, a luta, a militância e a memória se fazem.

O acervo é composto por 53 mil negativos e 200 mil imagens digitais. São registros de greves, debates, ocupações, mobilizações, passeatas, movimentos estudantis, festas, celebrações e marchas, datados do início dos anos 1990 até o início de 2013. O evento de hoje é uma realização da equipe do Acervo João Zinclar, e a entrada é gratuita.

Gostou dessa informação?

Quer contribuir para que o trabalho da CPT e a luta dos povos do campo, das águas e das florestas continue? 

Clique aqui e veja como contribuir