COMISSÃO PASTORAL DA TERRA

 

 

 

A Comissão Pastoral da Terra - MT vem por meio desta se solidarizar com a família, amigos/as e companheiros/as de Tereza Rios e Aloísio da Silva, assassinados brutalmente nessa quarta-feira, 06/09/2017.

 

Tereza e Aloísio foram presenças ativas na comunidade, participando em atividades agroecológicas, feiras, debates de gênero e direito à terra. Tereza presidia a União Nacional das Cooperativas da Agricultura familiar e Economia Solidária (Unicafes-MT) e a COOPERLIVRE e foi vereadora da cidade de Nossa Senhora do Livramento. Vidas intensas direcionadas ao bem comum e da terra.

O que aconteceu nesse fatídico dia 06 é uma realidade triste na história deste povo que luta pela permanência na terra e pela terra. Terra essa delimitada pelo governo estadual e nacional como privilégio de poucos. Numa realidade que o dinheiro possui mais valor que a vida, a terra é uma terra-privilégio porque é uma terra-mercadoria. Diferente para dona Tereza e seu Aloísio, que era uma terra-trabalho, de vida e de convivência com a família, amigos e comunidade.

Essa violência não é um caso isolado no campo. Em 2017 já são 60 camponeses/as, indígenas e lutadores/as assassinados no País até o mês de setembro, se aproximando do ano passado, uns dos mais violentos em 15 anos. Um número denunciativo tanto sobre a luta pela terra e pela permanência na terra quanto sobre a participação direta do Estado (representado pelos agentes públicos dos poderes executivo, legislativo e judiciário) ou indiretamente ao deixar impune essa violência por interessar à política agrária e agrícola.

Ainda nem nos curamos da dor e indignação da 'Chacina de Colniza', em que 09 camponeses foram também assassinados brutalmente. Violência continuada em diversas partes do Mato Grosso, exemplo, os assentados/as do P.A Raimundo Viera III, Lote 10 Gleba Gama, município de Nova Guarita que recentemente o Fórum de Direitos Humanos e da Terra e a CPT denunciaram através de Nota Pública as inúmeras violências ocorridas. Também não podemos nos esquecer dos acampados da região norte do estado que sabem ainda mais o que significa a violência, ainda mais quando relacionada à impunidade de fazendeiros criminosos e presença ativa ou passiva do estado.

 

Ainda daqueles que planejam iniquidade e que tramam o mal em leitos!

Ao amanhecer, eles o praticam,

porque está no poder de sua mão.

Se cobiçam campos, eles os roubam,

se casas, eles as tomam;

eles oprimem o varão e sua casa,

o homem e sua herança. (Miquéias 2, 1-2).

 

Dona Tereza e seu Aloisio não serão apenas números desta triste realidade sofrida pelos pequenos do campo: camponeses/as, trabalhadores/as rurais, indígenas, quilombolas, ribeirinhos/as, extrativistas. O sangue derramado no chão desta lutadora e deste lutador será a semente que alimentará a nossa luta por justiça, por terra, por alimentos e por trabalho.

 

Bem aventurados os que tem fome e sede de justiça, porque serão saciados. (Mateus 5, 6)

 

Cuiabá, 08 de setembro de 2017.

Comissão Pastoral da Terra – Regional Mato Grosso

Gostou dessa informação?

Quer contribuir para que o trabalho da CPT e a luta dos povos do campo, das águas e das florestas continue? 

Clique aqui e veja como contribuir