COMISSÃO PASTORAL DA TERRA

 

 

A Articulação das CPT's da Amazônia divulga nota de solidariedade à equipe da Comissão Pastoral da Terra no Amapá, por ocasião da agressão sofrida por Dennis Koltz enquanto desempenhava trabalho pastoral na comunidade Campina do São Benedito, no Amapá, na terça-feira (25).

Disse o Senhor: "De fato tenho visto a opressão sobre o meu povo no Egito, tenho escutado o seu clamor, por causa dos seus feitores, e sei quanto eles estão sofrendo”. Êxodo 3:7

A Comissão Pastoral da Terra expressa toda solidariedade à equipe da Comissão Pastoral da Terra no Amapá, especialmente aos Padres Dennis Koltz e Sisto Magro, missionários do PIME. Padre Dennis – que junto a Padre Sisto coordena a CPT no estado do Amapá – foi atacado violentamente, na terça-feira, 25 de fevereiro, por um fazendeiro de soja na área de Campina do São Benedito, Pacuí. O Estado do Amapá sofre por décadas com a invasão do latifúndio e mais recentemente com o monocultivo da soja, que têm como principais mecanismos o desmatamento e a grilagem de terras públicas, estas ocupadas pelas populações locais.

Em uma ação para verificar uma placa de licenciamento para desmatamento, que estava vencida em agosto de 2019, o padre Dennis Koltz foi violentamente atacado pelo suposto dono da fazenda, no local onde estava a placa. Foram socos desferidos em seu tórax, assim como várias ameaças contra sua vida, por uma pessoa de nome Mario Junior Rocha, que não satisfeito com a tamanha violência, ainda jogou seu carro contra o carro do Padre Dennis Koltz, o carro tinha como segundo ocupante o Padre Sisto Magro.

Para descaracterizar a violência, o agressor, Mário Junior, foi até a delegacia de polícia registrar Boletim de Ocorrência contra o Padre Dennis Koltz, na tentativa de inverter a origem da violência.

NOTA PÚBLICA - 15 anos sem irmã Dorothy Stang

Vários estados da Amazônia estão sendo tomados por produtores de soja, em geral, vindo do Sul do país, que em uma ação colonizadora invadem as terras e expulsam os seus moradores – pequenos camponeses e comunidades tradicionais –, cometendo as mais diferentes formas de violência.

NOTA PÚBLICA: O acesso à terra é direito garantido na Constituição Federal de 1988

A CPT completa neste ano de 2020, 45 anos de serviço junto aos povos do campo. Em Macapá o trabalho desenvolvido por seus agentes e coordenadores tem contribuído na luta e resistência das comunidades rurais. Este acompanhamento e serviço denuncia há décadas as irregularidades e ataques aos mais desfavorecidos no Estado do Amapá. Estas pessoas sofrem com a violência cometida pelo latifúndio e com aqueles que, em busca do lucro fácil, não hesitam em desmatar e expulsar as inúmeras comunidades locais, inclusive com a omissão e conivência de agentes e órgãos do próprio Estado.

NOTA PÚBLICA - Atuação ilegal de policiais militares contra sem-terras na fazenda Surubim, no Pará

A CPT tem como missão manter viva a memória do evangelho da vida e da esperança, sendo sempre fiel ao Deus dos pobres, à terra de Deus e aos pobres da terra, ouvindo e atendendo o clamor que vem do povo do campo e das florestas, como ensina Jesus.

Neste sentido, em solidariedade com a Diocese do Macapá, repudiamos toda a violência cometida contra o povo de Deus, bem como as ameaças contra toda a comunidade de Campina do São Benedito, e a violência cometida contra o padre Dennis Koltz. A CPT acredita que a justiça, ainda é a esperança de dias melhores. Exigimos que todos os instrumentos legais sejam usados para impedir o desmatamento ilegal, a usurpação de terras das comunidades tradicionais e a escalada de violência.

Amazônia Legal, 27 de fevereiro de 2020.

Articulação das CPT’s da Amazônia