COMISSÃO PASTORAL DA TERRA

 

 

“A polícia está botando fogo nos pertences das famílias e ameaçando de bater e prender quem tentar entrar na área”, denuncia uma trabalhadora Sem Terra

Texto e Foto: MST

As 80 famílias do MST, que vivem no acampamento Lula Livre, no município de Mucajaí, em Roraima (a 58 km da capital do estado, Boa Vista) denunciam que neste momento estão sofrendo despejo violento e tendo todos os seus pertences queimados pela polícia.

Roraima: CPT apresenta Relatório Conflitos no Campo Brasil 2018

Segundo os agricultores, o despejo não está sendo acompanhado por um oficial de justiça, como determina a Lei. Mas, a polícia se encontra no local, juntamente com a força tática e o grileiro da terra, ameaçando as famílias e impedindo de retirarem seus pertences das moradias.

Organizações reivindicam respeito aos direitos dos povos indígenas em situação de migração no estado de Roraima

“A polícia está botando fogo em todos os pertences das famílias e ameaçando bater e prender quem tentar entrar no local. As famílias estão sendo obrigadas a ver tudo que tem ser queimado, sem poder fazer nada”, conta uma trabalhadora Sem Terra, que prefere não se identificar com medo de represálias.

Pistoleiros atacam trabalhadores rurais em Roraima

O acampamento está localizado na antiga fazenda Tocantins, com mais de 650 hectares. A famílias Sem Terra ocupam o local, que se encontrava improdutivo, desde o dia 17 de abril do ano passado. A área tem denuncia de ser grilada por um homem conhecido como Zezinho.

 *Editado por Solange Engelmann

Gostou dessa informação?

Quer contribuir para que o trabalho da CPT e a luta dos povos do campo, das águas e das florestas continue? 

Clique aqui e veja como contribuir