COMISSÃO PASTORAL DA TERRA

 

 

 

Bispos do Regional Sul 2 da CNBB divulgam Nota de Repúdio ao despejo de 167 famílias do Acampamento Quilombo dos Palmares, feito pela Polícia Militar no dia 30 de julho, em Lerroville, Londrina, no Paraná. De acordo com o documento: "os bispos do Paraná vêm a público manifestar repúdio, quanto à forma como foram deflagradas as reintegrações de posse em Londrina; conscientes de que tal manifestação em defesa dos mais pobres se faz necessária, uma vez que seus diretos têm sido cada vez mais ignorados e violados em nossos dias, fomentando injustiças, violência e exclusão. Assim sendo, esperamos que sejam revistos todos os despejos nas terras paranaenses, tendo em vista que essas famílias estão há muitos anos trabalhando, produzindo agricultura de subsistência, educando os filhos e construindo comunidade em áreas pertencentes a grandes devedores da União ou do Estado que eram tidas, anteriormente, como improdutivas.Preocupa-nos o futuro dessas famílias, que de forma inesperada e agressiva, foram retiradas do seu espaço de convívio, trabalho e dignidade". Confira o documento:

(foto: Edna dos Santos)

Opressão e violência estão aí na minha frente, acontecem demandas, surgem processos. Por isso a lei ficou fraca e o que é justiça jamais prevalece”. (Hab 1,3b-4)

Os bispos do Regional Sul 2 da CNBB acompanharam, com preocupação, a notícia da reintegração de posse realizada pela Polícia Militar no dia 30 de julho, em Lerroville, distrito rural de Londrina (PR), que despejou 167 famílias. Esta já é a quarta reintegração de posse ocorrida no estado este ano e, tudo indica que ocorrerão outras, com consequências mais desastrosas.

O nosso compromisso é, incansavelmente, trabalhar para que a vida em plenitude, trazida por Jesus Cristo (cf. Jo 10,10), se concretize em cada pessoa, família e no hoje da nossa história. Imbuído dessa certeza, o papa Francisco pede que não haja “nenhuma família sem casa, nenhum camponês sem terra, nenhum trabalhador sem direitos, nenhuma pessoa sem a dignidade que provém do trabalho”. (cf. Discurso no Encontro Mundial dos Movimentos Populares, em 28 de outubro de 2014), pautado na Doutrina Social da Igreja, que afirma ser a reforma agrária uma necessidade política e, ao mesmo tempo, uma obrigação moral (cf. Compêndio da Doutrina Social da Igreja, n. 300).

Diante disso, os bispos do Paraná vêm a público manifestar repúdio, quanto à forma como foram deflagradas as reintegrações de posse em Londrina; conscientes de que tal manifestação em defesa dos mais pobres se faz necessária, uma vez que seus diretos têm sido cada vez mais ignorados e violados em nossos dias, fomentando injustiças, violência e exclusão.

Assim sendo, esperamos que sejam revistos todos os despejos nas terras paranaenses, tendo em vista que essas famílias estão há muitos anos trabalhando, produzindo agricultura de subsistência, educando os filhos e construindo comunidade em áreas pertencentes a grandes devedores da União ou do Estado que eram tidas, anteriormente, como improdutivas.

Preocupa-nos o futuro dessas famílias, que de forma inesperada e agressiva, foram retiradas do seu espaço de convívio, trabalho e dignidade. Para isso é urgente que os órgãos responsáveis, especialmente o INCRA, possam promover a reforma agrária como meio de paz no campo e promoção da agricultura familiar de subsistência. Num momento de polarização e intolerância, é preciso que o diálogo até a exaustão, na busca de soluções pacíficas, seja condição irrenunciável.

Em solidariedade com todas as pessoas feridas, em sua dignidade, os bispos do Paraná reafirmam seu compromisso evangélico em defesa da vida, sendo contrários a todo e qualquer ato de violência.

 

Dom Geremias Steinmetz

Arcebispo de Londrina e Presidente da CNBB Regional Sul 2

 

Dom José Antônio Peruzzo

Arcebispo de Curitiba e Vice-Presidente do Regional Sul 2

 

Curitiba - Paraná, 1º de agosto de 2019.

 

Gostou dessa informação?

Quer contribuir para que o trabalho da CPT e a luta dos povos do campo, das águas e das florestas continue? 

Clique aqui e veja como contribuir