COMISSÃO PASTORAL DA TERRA

 

 

 

Carlão, como era conhecido, foi morto a tiros nessa quarta-feira (7) em frente à Prefeitura de Paranatinga (MT), a 411 km de Cuiabá (MT). Ele havia registrado boletins de ocorrência sobre ameaças em 2017 e seu assassinato pode ter motivação relacionada à disputa de terras.

 

(Fonte: G1 MT / Foto: Edgar Costa-Paranatinga News).

O assassinato de Carlos Antônio da Silva, de 51 anos, líder de um assentamento rural, pode ter motivação relacionada à disputa de terras em Mato Grosso. Carlão, como era conhecido, foi morto a tiros nessa quarta-feira (7) em frente à Prefeitura de Paranatinga, a 411 km de Cuiabá.

Ele deixava o prédio do órgão com a mulher e a filha quando foi baleado por homens em uma motocicleta. A família estava em um carro.

Segundo a Polícia Civil, um inquérito foi aberto para esclarecer o crime. Carlão era liderança do Assentamento PDS Rio Jatobá, no Distrito Santiago do Norte, em Paranatinga.

LEIA MAIS: No Maranhão, agente da CPT e trabalhadores são ameaçados de morte por protestarem contra lixão em assentamento

Em PE, acampados de São Joaquim do Monte sofrem com despejo violento

Ouvidorias cobram providências sobre desaparecimento de líderes sem terra

Mais uma vítima do Massacre de Pau D'Arco

Nota de Pesar: Márcio Matos, liderança do MST na Bahia, presente!

O delegado Pablo Borges Rigo informou que a vítima havia registrado, em 2017, alguns boletins a respeito de ameaças. Foram feitas algumas diligências para identificar os supostos autores. Carlão não indicou, nas queixas, os codinomes.

Por envolver questões agrárias ou por receio e medo, os moradores da região não contribuíram com informações à polícia.

A vítima, acompanhada da mulher e da filha menor de idade, estava em um veículo EcoSport, em frente à prefeitura do município, quando foi baleada.

Carlos Antônio chegou a ser socorrido, mas morreu após dar entrada na unidade hospitalar. A mulher foi atingida de raspão no braço e a filha não sofreu nenhum ferimento.

Gostou dessa informação?

Quer contribuir para que o trabalho da CPT e a luta dos povos do campo, das águas e das florestas continue? 

Clique aqui e veja como contribuir