COMISSÃO PASTORAL DA TERRA

 

 

O Dia Internacional das Mulheres é comemorado em 8 de março no mundo inteiro. Para celebrar essa data, a Comissão Pastoral da Terra (CPT), em conjunto com a Cáritas Diocesana e o Núcleo de Agreocologia da UFT (Neuza), organiza a “Feira das Mulheres Camponesas do Cerrado: elas por elas e pelas outras”, nos próximos dias 3 e 4 de março, na Comunidade São João Batista, no bairro São João, em Araguaína (TO).

Fonte / Imagem: Rafael Oliveira / CPT Araguaia-Tocantins

Aberta ao público, a feira terá início às 7h e dará destaque aos saberes e aos alimentos produzidos pelas mulheres de diversas comunidades rurais da região. Terá muito arroz, feijão, farinha de puba, abóbora, mandioca, hortaliças, bolos, artesanatos entre outros.

Ainda na terça-feira (3), a partir das 17h, haverá um sarau no Parque Cimba, com atividades artísticas voltadas ao fortalecimento das mulheres. Já na quarta-feira (4), das 14h às 17h, no Salão da Comunidade São João Batista, serão realizadas quatro oficinas simultâneas: agroecologia e geração de renda; saúde e cuidados; confecção de artesanatos; e direito e políticas públicas. Todas as oficinas também são gratuitas e abertas ao público em geral.

Um dos objetivos dos eventos é dar visibilidade ao trabalho realizado pelas mulheres do campo e da cidade. O Tocantins ocupa o 8º lugar no ranking de violência contra mulher no Brasil. 30 mil mulheres sofreram violência doméstica entre janeiro de 2018 a março de 2019. Nesse período, 25 mulheres foram assassinadas, vítimas de feminicídio, e quase 3 mil pedidos de medidas protetivas em casos de violência doméstica foram registrados no Tribunal de Justiça do estado.

LEIA TAMBÉM: Mulheres em tempos de cólera

#VozesdasMulheres | O protagonismo da mulher rural – “para não dizer que não falei das ‘flores’”

#VozesDasMulheres | Judite Simoa: Um retrato das mulheres que resistem aos empreendimentos do capital no campo

“No 8 de março, nós mulheres do campo e da cidade não queremos só comemoração. Exigimos respeito, políticas públicas de segurança, saúde e geração de renda para as mulheres. Exigimos o fim da violência contra mulher e repudiamos o discurso machista e misógino do atual presidente da República, Jair Bolsonaro”, pontua a organização dos eventos.

Além da CPT, Cáritas e Neuza, compõem também a organização do evento o Movimento dos Atingidos por Barragem, Juventude Missionária, Casa de Saúde e Pastoral da Juventude.

::. Confira, abaixo, a programação completa:

Gostou dessa informação?

Quer contribuir para que o trabalho da CPT e a luta dos povos do campo, das águas e das florestas continue? 

Clique aqui e veja como contribuir