COMISSÃO PASTORAL DA TERRA

 

 

O Movimento Interestadual das Quebradeiras de Coco Babaçu (MIQCB) – criado em 1995 com o objetivo de fortalecer a luta pelo direito à terra e à palmeira de babaçu, e reconhecer as quebradeiras de coco como categoria profissional – lançou segunda-feira (10), na Câmara Federal, em Brasília, o novo “Mapa da Região Ecológica do Babaçu”, que abrange os estados do Piauí, Tocantins, Maranhão e Pará, em área de mais de 25 milhões de hectares, com diferentes densidades. 

 

(Fonte/Imagens: Mídia Ninja)

O mapa, que possui como princípio a auto-cartografia, não é governamental e nem acadêmico. Ele vem de assentados e quilombolas que contribuíram num minucioso trabalho de campo, com marcação de locais em situações de conflito. O mapa é uma etnografia, com rica história social e política que não se encontra na literatura oficial. 

Profissão feminina de áreas rurais, totaliza mais de 300 mil trabalhadoras que tiram o sustento do extrativismo do babaçu - importante palmeira brasileira. Da árvore, se faz cestos, farinha, carvão, azeite, sabonetes, entre outros. Uma importante fonte de renda para comunidades rurais.

Essas mulheres fazem a linha de frente para conservar as florestas de babaçu e, concomitante, protegem essas regiões de grande diversidade biológica auxiliando no combate ao desmatamento.

Mas não há facilidades. Se estendem as práticas de envenenamento, derrubada, queimada e destruição. Essas mulheres persistem e enfrentam, com coletividade, fazendeiros e pecuaristas dessas regiões. São verdadeiras guerreiras do campo! 

Francisca Maria, presente no lançamento, apontou que está sendo realizado um cerco nas beiras dos lagos onde se coletam o babaçu e que, inclusive, já há registros de óbitos: “As cercas são elétricas e já mataram gente. Tudo pra prejudicar o ir e vir, atacando a cultura e a sobrevivência. Como nós vamos viver?” Francisca ainda questiona a postura do prefeito da cidade, que abre espaços para grandes empresas, facilitando que essas tomem as terras dos povos tradicionais.

De acordo com a coordenadora geral do MIQCB, Francisca da Silva Nascimento, é preciso que se olhe diferente para as políticas públicas destinadas a quebradeiras de coco, e por isso a importância desse mapa - que atribui visibilidade ao trabalho e escancara as dificuldades: “Nós não esperamos que o governo chegue lá com saco de coco. A gente quer ser reconhecida e respeitada”.

A senadora Regina Sousa (PT/ PI), que já foi quebradeira de coco babaçu, citou a ganância do agronegócio, que quer acabar com o cultivo para plantar soja, além do perigo que isso representa nas nascentes dos rios. Para a senadora, o mapa é importante para melhor visualizar a elaboração de leis, tendo em vista a preservação do que ainda resta dessa cultura. Ao encontro com a opinião de Souza, Rosenilde Gregório dos Santos Costa, a Rosa, afirma: “O mapa, para nós, é um instrumento de luta, onde podemos estar identificando todos os problemas e lutando para que as políticas de combate à violência possam ser resolvidas; nos ajuda a confrontar a violência dessa região”. 

“O que nós podemos fazer na Câmara Federal em relação à pauta das quebradeiras de coco é desarquivar ou reescrever o projeto de preservação do babaçu, que é fundamental para a sobrevivência dessas mulheres, além de ser [a palmeira] uma espécie importante do ponto de vista da biodiversidade - que junto a ela garante toda a diversidade cultural que representam as quebradeiras de coco”, considera o deputado Nilto Tatto (PT/SP). Quanto à invisibilidade e à falta de reconhecimento do movimento, Nilto afirma que é preciso levantar as reivindicações existentes para facilitar o diálogo com o Poder Executivo.

Nos próximos dias as mulheres do MIQCB estarão presentes na mobilização que envolve o 5ª Marcha das Margaridas em Brasília. A Mídia NINJA segue na cobertura e apoio ao movimento. Acompanhe!

Acompanhe mais informações sobre o Cerrado