COMISSÃO PASTORAL DA TERRA

 

 

Bispos, por meio de Nota, manifestam preocupação e solidariedade às famílias que vivem na Gleba Tauá, em Barra do Ouro (TO). Há anos grileiros de terras tentam, das mais variadas formas, expulsar camponeses e camponesas da área. Confira o documento na íntegra: 

 

Nós, Bispos da Igreja Católica, do Regional Norte 3 da CNBB, no Estado do Tocantins, vimos, por meio desta Nota, manifestar nossa preocupação e nossa solidariedade às famílias que habitam na gleba Tauá, município de Barra do Ouro (TO), que está sendo alvo de desmatamento de suas terras para a plantação de soja, milho e para a criação de gado. O nosso descontentamento é ainda maior porque esta é uma área da União e nela habitam cerca de 86 famílias, algumas há mais de 50 anos. Sem contar com os danos materiais e ambientais – aterro das nascentes, assoreamento dos rios e devastação da natureza -, o referido desmatamento é uma tática de choque para pressionar essas famílias a deixarem esta área.

Além de todo o cenário de destruição, há proibição da entrada do transporte escolar para conduzir os alunos, os filhos e as filhas dos camponeses que residem na área, para as Escolas na cidade de Barra do Ouro. Há ainda agravante em relação às estradas vicinais que estão deixando de existir em função do maquinário pesado arando a extensão da área. Outro fato ainda mais grave que tem causado indignação à população local é o desrespeito aos familiares mortos, sepultados no cemitério local, cujos túmulos estão sendo destruídos para o plantio de soja e a abertura de estradas. De sorte que as famílias não sabem mais onde estão exatamente sepultados seus entes queridos. Esse acentuado conflito tem revelado ainda práticas delituosas através da destruição das roças dessas comunidades tradicionais, sobretudo, o incêndio criminoso de moradias ocorrido recentemente, predominando a impunidade e a injustiça tão latente.

Afirmamos que as pessoas que moram nesta região são agricultoras e futuras beneficiárias da tão sonhada regularização fundiária. Denunciamos o descaso de parte das autoridades, sobretudo, pelo acirramento desse conflito. Ao mesmo tempo, manifestamos e reforçamos nossa solidariedade a essas famílias, injustamente perseguidas. Não podemos aceitar que tratores passem por cima de pessoas, história, famílias, casas, direitos conquistados e das leis que regem este país.

Portanto, diante do conflito que já dura, ao menos, dez anos, quando das primeiras denúncias, conclamamos os Órgãos Públicos, entre eles, o Ministério Público Federal, o INCRA, o Naturatins, o IBAMA, o Itertins, as Ouvidorias Regional e Nacional, a sentarem numa mesa de negociação com os Movimentos e as Pastorais Sociais, o Sindicato dos Trabalhadores Rurais, a Igreja local e as próprias famílias atingidas e ameaçadas a fim de mediarem, através de um diálogo construtivo, maduro e frutuoso, o conflito antes que aconteça o pior. Já tivemos o Padre Josimo Tavares martirizado por causa da luta. É inadmissível que em pleno século XXI ainda haja risco de outros novamente darem testemunhos de sua fé pela mesma causa, da injustiça que ainda permeia a nossa realidade.

Fieis a Jesus Cristo que veio ao mundo para servir (Mc 10,45) e para que todos tenham vida, e vida em abundância (Jo 10,10), pedimos que nesta região se instaure a justiça, se viva a verdade e se respeite os direitos adquiridos. Em nome dele, denunciamos a omissão das autoridades responsáveis; exigimos que seja imediatamente realizada a retirada dos grileiros instalados na área; e também que seja imediatamente efetivada a regularização fundiária dos legítimos beneficiários do Programa Terra Legal; e o remanescente da área seja destinado à criação do projeto de assentamento da reforma agrária.

Estamos todos nos preparando para a vivência do Ano da misericórdia. O papa Francisco nos diz o seguinte:“Não levamos dinheiro para o além. O dinheiro não nos dá a verdadeira felicidade. A violência usada para acumular dinheiro que transuda sangue não nos torna poderosos nem mortais. Para todos, mais cedo ou mais tarde, vem o Juízo de Deus, do qual ninguém pode escapar (Papa Francisco,Misericordiae Vultus, 19).

Que Deus, nosso Pai, de quem recebemos a terra para torná-la terra de irmãos, nos abençoe. E que Nossa Senhora Aparecida, Padroeira do Brasil, em peregrinação pelas nossas Igrejas, interceda junto a Deus para uma solução urgente deste conflito.

 

Dom Philip Dickmans, bispo de Miracema,

Dom Pedro Brito Guimarães, arcebispo de Palmas,

Dom Giovane Pereira de Melo, bispo de Tocantinópolis,

Dom Rodolfo Luís Weber, bispo de prelazia de Cristalândia,

Dom Romualdo Matias Kujawski, bispo de Porto Nacional.

 

Palmas, 26 de Maio de 2015,

29 anos do assassinato do Pe. Josimo Tavares,

mártir da luta pela terra.

 

 

Gostou dessa informação?

Quer contribuir para que o trabalho da CPT e a luta dos povos do campo, das águas e das florestas continue? 

Clique aqui e veja como contribuir