COMISSÃO PASTORAL DA TERRA

 

 

 

Pela primeira vez em terras paraenses, o VIII Encontrão das Quebradeiras de Coco Babaçu teve início nesta quinta-feira, 7, e segue até sábado, dia 9 de fevereiro, no município de São Domingos do Araguaia, no Pará.

 

(Fonte: Com informações do MIQCB | Imagem: Thomas Bauer – CPT Bahia)

Cerca de 300 quebradeiras de coco babaçu dos estados do Maranhão, Piauí, Tocantins e Pará, além de organizações e movimentos sociais parceiras do MIQCB participam do evento, cujo tema é “Mulheres quebradeiras de coco: Resistência nos babaçuais”.

Entre os temas abordados no evento estão: o desafio do acesso livre ao território onde estão os babaçuais; a queima das florestas do coco babaçu e das pindovas (palmeiras jovens de babaçu); as violências físicas e psicológicas sofridas pelas quebradeiras de coco babaçu.

Durante os três dias de programação, além da eleição para a coordenação geral do MIQCB e confirmação das coordenadoras regionais (eleitas ao longo da realização dos Encontrinhos), será definido o Planejamento Estratégico do movimento para os próximos cinco anos e apresentado o seu novo Estatuto.

LEIA TAMBÉM: Do coco babaçu à emancipação: o poder das quebradeiras do Maranhão

Quebradeiras de Coco lançam Mapa da Região Ecológica dos Babaçuais

Coordenadora geral das Quebradeiras de Coco Babaçu sofre tentativa de homicídio no Piauí

Preparação

Em novembro de 2018 começaram a ser realizados os “encontrinhos” nas seis Regionais do MIQCB nos estados do Maranhão, Pará, Piauí e Tocantins. Durante as atividades foram trabalhados três eixos estratégicos para o movimento: acesso livre ao território e babaçu; educação contextualizada; e acesso ao conhecimento e economia solidária.

 As dificuldades e oportunidades levantadas ao longo dos “encontrinhos” serão consolidadas no Planejamento Estratégico.

O Encontrão é realizado pelo MIQCB, e conta com o apoio da União Europeia, Fundação Ford, ActionAid, DGM Brasil, e ASW.

Gostou dessa informação?

Quer contribuir para que o trabalho da CPT e a luta dos povos do campo, das águas e das florestas continue? 

Clique aqui e veja como contribuir