COMISSÃO PASTORAL DA TERRA

 

 

 

O evento tem como lema “Agroecologia e Democracia unindo campo e cidade”, sendo essa uma etapa preparatória ao IV Encontro Nacional de Agroecologia (ENA).

 

(Por Gilka Resende e Patrícia Tavares* | Imagem: Divulgação/ERÊ)

Territórios de resistência ao agronegócio, movimentos sociais e organizações da sociedade civil do Centro Oeste promoverão, pela primeira vez, um evento regional preparatório ao Encontro Nacional de Agroecologia (ENA), cuja quarta edição ocorrerá daqui a dois meses em Belo Horizonte (MG). Cerca de 100 representantes de entidades do Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás e do Distrito Federal se reunirão em Brasília, entre 4 e 6 de abril, para a realização do Encontro Regional de Agroecologia (ERÊ) – Centro Oeste. Assim como o IV ENA, organizado pela Articulação Nacional de Agroecologia (ANA), a etapa regional terá como lema “Agroecologia e Democracia unindo campo e cidade”.

“Sempre conseguimos realizar eventos estaduais, mas é a primeira vez que reuniremos representantes de todos os estados do Centro Oeste para levar os debates da região para o ENA. Esse sempre foi um desafio. Entendemos que a agroecologia se faz de forma coletiva. Por isso, é importante fazer encontros, debates e intercâmbios de saberes entre os territórios”, expõe Cidinha Moura, coordenadora da FASE no Mato Grosso. Nesse sentido, duas redes apresentarão suas experiências de articulação de territórios e inciativas de agroecologia: o Grupo de Intercâmbio em Agroecologia (Gias), do Mato Grosso, e a Associação de Produtores Orgânicos de Mato Grosso do Sul (Rede APOMS).

Ganha destaque também o papel das mulheres na agricultura familiar de base agroecológica. “Teremos uma plenária feita por mulheres com o objetivo fortalecer o lema ‘sem feminismo não há agroecologia’. Com essa compreensão, pautaremos o papel das mulheres no cultivo dos alimentos realmente saudáveis”, destacou Cidinha. Ela explica que o evento quer valorizar também cultivos adaptados a cada localidade. “A ideia é dar visibilidade para alimentos tradicionais do Centro Oeste: cumbaru, pequi, plantas medicinais do Cerrado e do Pantanal, dentre outros. A discussão será sobre ‘comida de verdade’, ou seja, comida produzida com respeito aos agricultores e agricultoras, sem a contaminação por agrotóxicos, com alimentos que fazem parte da cultura e da vida das pessoas”, completa.

Bárbara Loureiro, do setor de produção do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), lembra que a alimentação é um tema central para o diálogo entre as populações do campo e da cidade. “Os territórios camponeses têm uma enorme responsabilidade na produção de alimentos saudáveis para toda a população. Esse é um objetivo que o modelo do grande capital não consegue cumprir.  O agronegócio produz commodities agrícolas. É a agricultura do campo que produz a alimentação diária de quem está na cidade”, afirma.

O ERÊ Centro Oeste também será uma oportunidade de debater o uso da água.  Recentemente, a Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb) começou a interromper o fornecimento por 24 horas em algumas regiões do Distrito Federal. O anúncio da situação crítica de escassez hídrica foi feito ainda em 2016, realidade que se repete em outras regiões metropolitanas no país. Geralmente, razões como a falta de chuvas, o desperdício e o crescimento urbano acelerado são alguns dos possíveis motivos apontados para o desabastecimento de água nas cidades.  Porém cabe lembrar que, de acordo coma Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO), aproximadamente 70% da água disponível no mundo são voltados para a irrigação. No Brasil, esse índice chega a 72%.

LEIA TAMBÉM: CARTA POLÍTICA DO III ENA

Agroecologia envolve mais do que apenas produzir, defende agricultor

Camponeses do MPA realizam II Festival das Sementes Crioulas na Bahia

Bárbara explica que grupos que constroem a agroecologia se preocupam com isso e têm uma relação distinta com esse bem comum imprescindível à vida. “A agroecologia traz esse debate: o de que a água não é mercadoria, não deve ser uma propriedade privada. Todos e todas devem ter acesso à água. Pensando nisso, a agroecologia inclui a reutilização da água, a conservação de mananciais, o reflorestamento das margens de córregos, de lagoas, dentre outras ações”, diferencia Bárbara. E completa: “a agroecologia consegue olhar para todo o sistema e seus ciclos”.

Além da troca de saberes na plenária das mulheres e no debate sobre redes que reúnem grupos de agroecologia, a programação do ERÊ Centro Oeste contará com convidados e convidadas que debaterão a conjuntura política, econômica e ambiental no país, dando ênfase às lutas sociais da região.  Também estão previstas rodas de conversa sobre: direitos territoriais, reforma agrária, água e impacto nas mudanças climáticas; construção social de mercados de alimentos e a relação entre consumidores e consumidoras do campo e da cidade; comunicação, cultura, construção de conhecimento e educação no campo; e juventudes na agroecologia.

[1] Integrantes da FASE e do Instituto Federal de Brasília (IFB), respectivamente. Ambas integram o Coletivo de Comunicação e Cultura da Articulação Nacional de Agroecologia (ANA).

Gostou dessa informação?

Quer contribuir para que o trabalho da CPT e a luta dos povos do campo, das águas e das florestas continue? 

Clique aqui e veja como contribuir