COMISSÃO PASTORAL DA TERRA

 

 

 

A Jornada Nacional de Lutas de Outubro já mobiliza cerca de dez mil militantes em nove estados e no Distrito Federal. As ações no Brasil tiveram início ontem e continuam nesta terça-feira (17).

 

(Fonte: Da Página do MST)

Desde a manhã desta última segunda-feira (16), trabalhadores rurais organizados no Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) ocupam sedes do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e órgãos relacionados à política agrária, bem como latifúndios improdutivos em 9 estados e no Distrito Federal.

A mobilização busca denunciar o desmonte da política de Reforma Agrária e cobrar restituição de seus orçamentos.

A Jornada Nacional de Lutas de Outubro já mobiliza cerca de dez mil militantes dos estados de Mato Grosso, Goiás, Alagoas, Pernambuco, Bahia, Sergipe, Ceará e Paraíba, além do Distrito Federal. Foram ocupadas dez unidades do Incra.

Para reivindicar terras para produção de alimentos saudáveis, também foram ocupadas três fazendas improdutivas: na Bahia, no Mato Grosso e em Goiás (esta ainda no domingo, 15).

No Distrito Federal, as famílias dos acampamentos Roseli Nunes e 8 de março tomaram a sede do Terracap, exigindo a efetivação como assentamentos da Reforma Agrária das áreas que hoje ocupam.

Em Pernambuco, Alagoas e na Bahia, grandes movimentações de trabalhadores rurais levaram a ocupações das sedes do Incra em Maceió (AL), Salvador, Ponto Novo (BA), Recife e Petrolina (PE), totalizando mais de 6 mil Sem Terra.

“De 16 a 20 de outubro estamos em jornada unitária dos movimentos do campo que tem como objetivo pressionar o governo federal para restabelecer com prioridade o orçamento da política agrária”, revela Atiliana Brunetto, da coordenação nacional do MST. Segundo ela, os trabalhadores querem “o descontingenciado do orçamento de 2017 e a recomposição para o de 2018.”

LEIA TAMBÉM: Titulômetro e cortes no Incra esvaziam política de reforma agrária

Investigação em Goiás denuncia situação de acampados e assentados

SUGESTÃO DE PAUTA: Balanço da Reforma Agrária no ano de 2016

Na tarde de ontem, ações de diálogo com a sociedade tomaram conta também das redes sociais. No Twitter, a hashtag #ChegaDeAgrotóxicos permaneceu como o 4º assunto mais comentado do Brasil por mais de 3 horas.

O Dia Mundial da Alimentação (16/10) mobilizou diferentes sujeitos na defesa de uma transição de modelo de agricultura, da atual agricultura majoritariamente envenenada para uma agricultura agroecológica.

A Jornada de Lutas de Outubro envolve ainda as Centrais sindicais, como CUT e CTB, e outros movimentos do campo, MPA, CONTAG, MMC e MAM. Os trabalhadores seguem mobilizados nas diferentes regiões do país à espera de uma posição sobre suas reivindicações.

Gostou dessa informação?

Quer contribuir para que o trabalho da CPT e a luta dos povos do campo, das águas e das florestas continue? 

Clique aqui e veja como contribuir