COMISSÃO PASTORAL DA TERRA

 

 

Por Carlos Henrique Silva (Comunicação CPT Nacional),
com informações da CPT Amazonas e Agência Cenarium Amazônia

Estação Ecológica Mamuru

Foto: Marcelo Seabra - Agência Pará

Uma verdadeira vitória das comunidades ribeirinhas, quilombolas e indígenas do Pará. Assim se pode descrever a conquista da Estação Ecológica (Esec) Mamuru, ocorrida nesta terça-feira (05), a partir da assinatura do decreto pelo Governo do Estado, oficializando a 28ª Unidade de Conservação (UC) Estadual entre os municípios de Aveiro e Juruti, na região oeste paraense, divisa com o estado do Amazonas.

A Esec Mamuru é estratégica para garantir a proteção de espécies ameaçadas de extinção e a manutenção dos serviços ambientais. Com 126 mil hectares, a nova unidade de proteção integral do meio ambiente vai reforçar o mosaico de áreas protegidas da região, que incluem parques nacionais com uma variada biodiversidade e ecossistemas diversos.

Para a equipe da Comissão Pastoral da Terra da Diocese de Parintins, a oficialização da Estação Ecológica tem o sabor de realização de um sonho do saudoso coordenador Sérgio Muniz, falecido no último dia 24 de agosto. Também integrante da Comissão  de Direitos Humanos de Parintins e Amazonas  (CDDHPA), Sérgio lutou junto com as comunidades e fez muitas viagens junto com colegas de trabalho e militância, também, na CPT Amazonas e Arquidiocesana de Manaus.

No local, não será permitido nenhum tipo de atividade produtiva, sendo proibida a visitação pública, a não ser com objetivos educacionais, de acordo com o Plano de Manejo da unidade. Outro ponto é que as áreas de particulares dentro de seus limites devem ser desapropriadas, de acordo com o que dispõe a legislação que trata de unidades de conservação de proteção integral.

“Lá será admitida apenas a preservação, os estudos científicos e a atividade de educação ambiental. Essa unidade é feita para proteger o coração da Amazônia, para proteger a diversidade biológica que lá existe, que é fundamental para nós, para o país e para o mundo”, afirmou o presidente do Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade (Ideflor-Bio), Nilson Pinto.

Estudos feitos pelo Instituto nos últimos anos analisaram o valor biológico das espécies e a necessidade de preservar a área da ação predatória. A região é bastante sensível e vítima do desmatamento, pela extração ilegal de madeira e de riscos à fauna e flora locais.

“Outros órgãos judiciais, ambientais, coletivos e instituições labutaram muito por esse dia, como o Grupo Natureza Viva (GRANAVE), Associação dos Assentados do PA Vila Amazônia, Coletivo em Defesa da Amazônia Rio Mamuru, a Rede Cidadã Parintinense; MTCA, Padres em Novas Dimensões, Sindicato de Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Parintins, Polícia Federal do Amazonas, Ministério Público Federal (MPF), Defensoria Pública da União do Amazonas e Roraima (DPU/AM-RR), MPE/PA e demais entidades ambientais paraenses”, relembra o professor e Dr. Manuel do Carmo da Silva Campos, da CPT-AM e Arquidiocesana de Manaus.

Save
Cookies user preferences
We use cookies to ensure you to get the best experience on our website. If you decline the use of cookies, this website may not function as expected.
Aceitar
Não Aceitar
mais informações
Analytics
Tools used to analyze the data to measure the effectiveness of a website and to understand how it works.
Google Analytics
Aceitar
Não acetiar
Unknown
Unknown
Aceitar
Não acetiar