COMISSÃO PASTORAL DA TERRA

 

 

A Comissão Pastoral da Terra regional Goiás (CPT/GO) denuncia uma série de conflitos relacionados à utilização de venenos pelos latifundiários que contaminam a água, exterminam abelhas e intoxicam centenas de famílias no estado de Goiás.

Famílias camponesas sofrem com a utilização de Agrotóxicos em Goiás

A Comissão Pastoral da Terra regional Goiás (CPT/GO) denuncia uma série de conflitos relacionados à utilização de venenos pelos latifundiários que contaminam a água, exterminam abelhas e intoxicam centenas de famílias no estado de Goiás.

Veja o vídeo:

Em Bela Vista de Goiás foram exterminadas mais de 1 milhão de abelhas de 26 colmeias localizadas nas comunidades Furado, Barro Amarelo, São Bento e circunvizinhanças, por meio de pulverização área que atingiu residências e grande parte das propriedades familiares.

O veneno utilizado não poderia ser aplicado por via aérea, já que, segundo a bula do Agrotóxico, só poderia ser utilizado por meio de pulverização terrestre.

No município de Caiapônia, dezenas de famílias do Assentamento São Domingos foram contaminadas por pulverização aérea de agrotóxico, que contaminou, inclusive, a represa que armazena a água para consumo humano de grande parte dos assentados.

As famílias do Acampamento Leonir Orback, município de Santa Helena, receberam um banho de veneno por meio de pulverização aérea. A intoxicação foi grande a tal nível que muitas famílias precisaram buscar atendimento médico em consequência da intoxicação por Agrotóxico.

Além do prejuízo à saúde humana e à biodiversidade, a pulverização aérea prejudica grande parte da produção da agricultura familiar.

A CPT Goiás vê com preocupação essa situação e está acompanhando de perto os casos, apoiando as ações das famílias atingidas por Agrotóxicos para cobrar que a fiscalização necessária seja feita e para que sejam punidos os responsáveis.

Goiânia, 21 de janeiro de 2021.

CPT regional Goiás