COMISSÃO PASTORAL DA TERRA

 

 

 

Ações organizadas pela Comissão Pastoral da Terra, entre os dias 23 e 28 de janeiro, buscam chamar atenção para a problemática em âmbito estadual e nacional.

(CPT Araguaia - Tocantins)

Organizações da sociedade civil e entidades públicas realizam, entre os dias 23 a 28 de janeiro, atividades em comemoração a Semana Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Todo mês de janeiro, desde 2010, diversos eventos são organizados no Tocantins e em outros estados brasileiros para chamar atenção sobre o problema e cobrar avanços na erradicação do trabalho escravo contemporâneo.

O regional Araguaia-Tocantins da Comissão Pastoral da Terra (CPT) organiza durante esta semana caminhada e panfletagem em pontos distintos de Araguaína. Na próxima terça-feira (23), a partir das 7h30, jovens do grupo Centro Cultural Casa da Capoeira participarão, juntamente com a CPT e agentes da Polícia Rodoviária Federal (PRF), de uma blitz educativa, com entrega de panfletos informativos e diálogo com motoristas, no posto de fiscalização, na BR-153, entre Araguaína e Nova Olinda. No mesmo dia, por volta de 18h, o grupo católico Juventude Missionária fará a conscientização sobre trabalho escravo no Parque Cimba – o grupo realizará o mesmo trabalho na quarta-feira (24), mas dessa vez na Via Lago.

No município de Muricilândia, no sábado (27), a partir das 7h00, a comunidade Quilombola Dona Juscelina e agentes da CPT farão uma panfletagem na TO-222, região de saída para os municípios de Santa Fé do Araguaia, bem como para o estado do Pará. Posteriormente, haverá a 2ª Caminhada de Combate ao Trabalho Escravo pelas principais ruas da cidade com distribuição de panfletos e diálogo com os moradores. Os grupos se organizam com faixas e carro de som que trarão informações sobre trabalho escravo.

Ainda no sábado, em Araguaína, os jovens capoeiristas farão outra blitz educativa no farol da Av. Cônego João Lima, próximo à Maternidade. De lá, seguirão até a feira do Mercado Municipal.

Casos no Tocantins

A incidência de casos de trabalho escravo no estado do Tocantins ainda é uma realidade. Dentre os anos de 2014 a 2017, segundo dados organizados pela CPT, 167 pessoas foram libertadas de trabalho escravo. Nesse mesmo período, foram realizadas apenas 32 fiscalizações em todo território tocantinense. Considerando apenas os dados do ano passado, 13 fiscalizações foram concretizadas e um total de 19 pessoas libertadas.

Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo

No dia 28 de janeiro, no Brasil, é celebrado o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. A data foi escolhida em homenagem aos auditores-fiscais do trabalho Eratóstenes de Almeida, João Batista Soares Lage e Nelson José da Silva, e ao motorista Ailton Pereira de Oliveira, assassinados quando investigavam denúncias de trabalho escravo na zona rural do município de Unaí (MG) no ano de 2004. A data foi oficializada em 2009. Os mandantes do crime, Antério Mânica, Norberto Mânica, Hugo Alves Pimenta e José Alberto de Castro, continuam em liberdade, apesar de terem sido condenados.


Para mais informações:

Rafael Oliveira (CPT) - (63) 99101-7760 / (63) 3412-3200

Gostou dessa informação?

Quer contribuir para que o trabalho da CPT e a luta dos povos do campo, das águas e das florestas continue? 

Clique aqui e veja como contribuir