COMISSÃO PASTORAL DA TERRA

 

 

 

No dia 09/08/1995, às duas horas da madrugada, 300 policiais do COE (tropa de elite) investem contra o acampamento de ocupação da Fazenda Santa Elina, em Corumbiara (RO) com bombas e tiroteio por cerca de quatro horas. Dois policiais morreram no confronto, diante da reação dos trabalhadores, pegos de surpresa enquanto dormiam. Do lado dos sem terra, a notícia das mortes foi mais complicada. Aproximadamente 20 trabalhadores desaparecidos, 350 lavradores gravemente feridos, 200 presos e 8 mortos, incluindo uma criança: Vanessa dos Santos Silva (criança), Nelsi Ferreira, Enio Rocha Borges, José Marcondes da Silva, Ercílio Oliveira Campos, Odilon Feliciano, Ari Pinheiro Santos e Alcino Correia da Silva.

Perícia apontou casos de execução entre os mortos e de espancamento entre os sobreviventes. Relatos apontam que foram arrastados, pisoteados, enfileirados e chutados, além de receberem tiros na orelha e em várias partes do corpo, mesmo em pessoas com necessidades especiais. Até o final da década, foram intensas as mobilizações pelo julgamento e para que o massacre de Corumbiara não fosse esquecido.

LEIA MAIS:

20 anos da heroica Resistência Camponesa de Corumbiara

Aos 20 anos, “massacre de Corumbiara” ganha primeiro livro-reportagem

Corumbiara, caso enterrado

Lentidão da Justiça acirra conflitos agrários na região de Corumbiara

Massacre de sem-terra ocorrido há 18 anos em Corumbiara está longe de desfecho

Ministro da Justiça apoia anistia a trabalhadores punidos pelo Massacre de Corumbiara

Corumbiara não esquece

Após dezesseis anos famílias serão assentadas em Corumbiara

Sobrevivente do massacre de Corumbiara é assassinado em Rondônia

Vídeo Massacre Corumbiara

Crédito dados: CEDOC Dom Tomás Balduino / CPT

Conteúdo sob licenciamento Creative Commons