COMISSÃO PASTORAL DA TERRA

 

 

 

Maior e mais conhecido massacre registrado na luta pela terra, o caso de Eldorado dos Carajás se refere ao assassinato de dezenove sem-terras mortos pela Polícia Militar do Estado do Pará, no dia 17 de abril de 1996. O massacre ocorreu quando 1500 sem-terra acampados na região realizavam uma marcha obstruindo a BR-155 em protesto contra a demora da reforma agrária no local. Sob o aval do secretário de segurança pública estadual (Paulo Sette Câmara), o coronel responsável pela operação (Mário Colares Pantoja) empreendeu atos de repressão e violência que culminaram nas mortes a queima roupa e por cortes.

Apesar da grande repercussão nacional, a apuração não prendeu ou identificou os policiais que atiraram. Propina teria sido paga por fazendeiros da região, especialmente o dono da fazenda Macaxeira, para que os policiais matassem as lideranças sem-terra.

(Foto: Sebastião Salgado)

LEIA MAIS:

Sobrevivente de Eldorado dos Carajás é assassinado em hospital no Pará

Conferência internacional da Reforma Agrária lança declaração final

Ato na Curva do S faz memória dos 20 anos do Massacre de Eldorado dos Carajás

Tem início a Conferência Internacional da Reforma Agrária

Via Campesina organiza Conferência Internacional sobre Reforma Agrária no Brasil

Sem Terra realizam terceira edição da Jornada Universitária em GO

Jornada Universitária na Bahia defende Reforma Agrária e rememora massacre de Carajás

"O Pará não é uma terra sem lei; é uma terra onde a lei impera para poucos", diz coordenador da CPT

Carajás, 19 anos de impunidade

Menos de 10% dos 1.700 assassinatos em conflitos de terra vão a julgamento

Uma data e muitos fatos: causas do fracasso das leis sobre reforma agrária

Sem Terra realizam acampamento em memória do Massacre de Eldorado dos Carajás

Vídeos Eldorado dos Carajás

Especial "Feridas Abertas" - 20 anos do Massacre de Eldorado dos Carajás

Massacre 1996 Eldorado dos Carajás – telesur

 

Crédito dados: CEDOC Dom Tomás Balduino / CPT

Conteúdo sob licenciamento Creative Commons