COMISSÃO PASTORAL DA TERRA

 

 

 

No dia 20/11/2004, 200 famílias que ocupavam a Fazenda Nova Alegria (desde 2002 constituindo o Acampamento Terra Prometida), de 2400 hectares, em Felisburgo (MG), foram surpreendidas por tiros de 18 pistoleiros coordenados por Adriano Cafisco Luedy, que se diz proprietário da terra, considerada devoluta, mas ainda não assentada pela morosidade do poder judiciário. No ataque, vinte trabalhadores foram baleados e feridos e outros cinco foram mortos: Iraguiar Ferreira da Silva, Miguel José dos Santos, Francisco Nascimento Rocha, Juvenal Jorge da Silva e Joaquim José dos Santos. O mandante do crime, Adriano Cafisco, que estava foragido, foi preso 13 anos depois, no dia 14 de dezembro de 2017, em Salvador (BA), e cumprirá pena de 115 anos de prisão.

(Foto: MST)

 

 

LEIA MAIS:

Durante jornada, Sem Terra conquistam três áreas emblemáticas em Minas Gerais

Dois mil Sem Terra marcham por Reforma Agrária em Minas Gerais

Acusado de participar da chacina de Felisburgo é preso em Sergipe

Pistoleiros do Massacre de Felisburgo são condenados a mais de 100 anos de prisão

Em Minas Gerais, júri condena dois acusados pelo Massacre de Felisburgo

Responsáveis pelo Massacre de Felisburgo serão julgados nesta semana

Nota da CPT Minas Gerais sobre o julgamento do Massacre de Felisburgo: o que não pode ser esquecido

MST para trem da Vale por condenação de Chafik e justiça aos mortos em Felisburgo

MST pede o fim da impunidade do massacre de Felisburgo

Massacre de Felisburgo: oito anos de impunidade

Crédito dados: CEDOC Dom Tomás Balduino / CPT

Conteúdo sob licenciamento Creative Commons