COMISSÃO PASTORAL DA TERRA

 

 

 

Três auditores fiscais e o motorista do Ministério do Trabalho foram assassinados no município de Unaí (MG), no dia 28/01/2004, quando faziam uma inspeção contra trabalho escravo em fazendas na região, respectivamente: Nelson José da Silva, João Batista Soares Lages, Erastóteles de Almeida Gonçalves e Ailton Pereira de Oliveira. Eles foram abordados por homens que atiraram no carro em que estavam no trevo conhecido como Sete Placas, numa estrada vicinal da MG-188.

Doze anos após o crime, os nove suspeitos foram condenados. De nove réus, três executores contratados foram presos (Rogério Alan Rocha Rios, Erinaldo de Vasconcelos Silva e William Gomes de Miranda), um dos mandantes morreu antes de ser condenado (Francisco Helder Pinheiro), mas outros quatro mandantes que foram condenados ainda respondem em liberdade. Os mandantes são nomes de peso político e econômico na região: Antério Mânica (ex-prefeito eleito por duas vezes em Unaí), Norberto Mânica, Hugo Alves Pimenta e José Alberto de Castro. Suas penas chegam a 100 anos de prisão cada.

(Foto: SINAIT)

LEIA MAIS:

Chacina de Unaí: Mandantes condenados, mas livres

Norberto Mânica e José Alberto são condenados pela Chacina de Unaí

Chacina de Unaí: pistoleiro aponta mandante e mostra 'Brasil profundo'

Defesa de réus consegue adiar novamente julgamento de Unaí

Ex-prefeito, irmão e outros dois serão julgados pela Chacina de Unaí

Após decisão do STF, julgamento da Chacina de Unaí pode ser retomado

Chacina de Unaí: Após 11 anos, Norberto Mânica será julgado em Belo Horizonte

Comissão da CNBB emite nota pelo Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo

Manifestações e protestos marcam semana de combate ao trabalho escravo

Acusado por chacina de Unaí filia-se ao PMDB e sairá candidato a deputado estadual

Júri Popular condena três pistoleiros por participarem da Chacina de Unaí

Acusados por Chacina de Unaí vão a júri popular a partir desta semana

Juíza transfere processo da Chacina de Unaí para cidade onde crime ocorreu

Nove anos depois, acusados da Chacina de Unaí continuam impunes

Chacina de Unaí (MG): impunidade continua

Crédito dados: CEDOC Dom Tomás Balduino / CPT

Conteúdo sob licenciamento Creative Commons