COMISSÃO PASTORAL DA TERRA

 

 

Entre o 15 e 23 de junho deste ano, será realizado no Aterro do Flamengo, no Rio de Janeiro, o Encontro dos Povos sobre a Rio +20: por Justiça Social e Ambiental. A sociedade civil global, as organizações, coletivos e movimentos sociais ocuparão o Flamengo para propor uma nova forma de vida no planeta, em solidariedade contra a mercantilização da natureza e em defesa dos bens comuns. O Encontro acontece paralelamente à reunião Rio+20.


O Encontro dos Povos será realizado em paralelo à Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável, Rio +20. A reunião oficial marca o vigésimo aniversário da Conferência das Nações Unidas sobre o Méio Ambiente e Desenvolvimento (Rio 92 ou Eco 92). Nestas duas décadas, a falta de ação para superar a injustiça social tem frustrado as expectativas em relação à preservação do meio ambiente e colocado em descrédito a ONU. A agenda prevista para a Rio +20, a chamada "economia verde" e as instituições globais, é considerada pelos organizadores do Encontro como insatisfatória para fazer frente à crise do planeta, causada pelos modelos de produção e consumo capitalistas.

Para fazer frente aos desafios da crise sistêmica, o Encontro dos Povos não só será um grande evento. Trata-se de um processo histórico e de convergência das lutas locais, regionais e mundiais, que tem como marco político a luta anticapitalista, classista e anti-racista, anti-patriarcal e anti-homofóbica.

O Encontro dos Povos quer, portanto, transformar a Rio +20, em um momento de oportunidade para fazer frente aos graves problemas que enfrenta a humanidade e demonstrar o poder político do povo organizado. "Vamos reinventar o mundo. É nossa vocação e nosso chamado à participação das organizações e movimentos sociais do Brasil e do mundo”, diz o comitê organizador. A convocação do Encontro mundial, será feito durante o Fórum Social Temático, no dia 28 de janeiro, em Porto Alegre (RS). O Fórum deste ano, por sua vez, será uma preparação para o Encontro.

Programação do Encontro

O Comitê Facilitador da Sociedade Civil para a Rio +20 está preparando o formato do Encontro dos Povos e a área que ele ocupará no Flamengo. O objetivo é que o espaço se organize em grupos de discussão auto-organizados, na Assembleia Permanente dos Povos e em um espaço para que os movimentos sociais e organizações exponham, pratiquem e dialoguem com a sociedade sobre suas experiências e projetos. As ações do Encontro estarão todas interconectadas. Um grupo de trabalho sobre metodologia foi criado para detalhar a aplicação desse modelo.

A ideia é que a Assembleia Permanente dos Povos, o principal fórum político do Encontro, se organize ao redor de três eixos que discutam as causas estruturais da atual crise da civilização, sem fragmentá-la em uma crise específica - energia, financeira, alimentar e ambiental. Portanto, espera-se reafirmar os novos paradigmas e alternativas construídas pelos movimentos sociais e os pontos da agenda política para o próximo período. O grupo de trabalho sobre a metodologia proporá a melhor forma de organizar este debate e fazer valer os novos paradigmas.

Os primeiros dois dias de atividades do Encontro serão de atividades organizadas pelos movimentos sociais locais, que estão em constante luta de resistência aos impactos dos mega-projetos. A partir disso se criará um espaço de livre acesso, onde as organizações e os movimentos globais da sociedade civil apresentarão experiências e projetos que demonstrem como pode ser a vida em sociedade, de maneira sustentável e solidária, à diferença do paradigma atual. Portanto, o espaço do Encontro dos Povos se organizará de uma maneira livre da presença de empresas e sobre a base da economia solidária, da agricultura, das culturas digitais, e das populações indígenas e afro-descendentes. Esta reunião da sociedade também contará com atividades culturais, que estarão abertas à população até o dia 23.

No domingo, 17, a organização do Encontro realizará uma marcha para celebrar o evento. A partir do dia 18, serão iniciados os debates autogestionados da Assembleia Permanente dos Povos. No dia 20 de junho é o Dia Internacional da Mobilização, e para marcar a data serão realizadas manifestações que enviarão uma mensagem clara e incisivo à reunião oficial Rio +20.

Gostou dessa informação?

Quer contribuir para que o trabalho da CPT e a luta dos povos do campo, das águas e das florestas continue? 

Clique aqui e veja como contribuir