COMISSÃO PASTORAL DA TERRA

 

 

Representantes na Bahia do Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais do Trabalho visitam Barreiras hoje, 27 de março, para obter mais informações sobre as ameaças de morte contra fiscais do Ministério do Trabalho e Emprego.

 

 

(Jornal A Tarde)

Há relatos de que pelo terceiro ano consecutivo estas amea- ças atrapalham a fiscaliza- ção em propriedades rurais da região oeste da Bahia. Barreiras fica a 858 km de Salvador. A primeira amea- ça contra os auditores fiscais ocorreu em julho de 2013, e a segunda, em fevereiro de 2014. “Todas as ocorrências têm em comum o fato de coincidirem com o período de fiscalização sobre os direitos trabalhistas nas fazendas da região”, enfatizou Wellington Maciel, membro da Delegacia Sindical na Bahia do Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais do Trabalho. O mais recente caso ocorreunodia3, lembrouMaciel, salientando que o autor do telefonema anônimo chegou a dizer os nomes de dois fiscais. “Na passagem por Barreiras, queremos cobrar celeridade das investiga- ções, de modo que os responsáveis sejam identificados e punidos”, torceu o dirigente sindical. É comum entre os trabalhadores rurais em geral (e os do oeste baiano não são exceção) o constante desrespeito a direitos trabalhistas. E isto inclui até a prática de trabalho em condições aná- logas à escravidão, caracterizadopelo serviço forçado e em condições degradantes. Polícia Federal A Superintendência Regional do Trabalho e Emprego (SRTE-BA) e a chefia do setor de fiscalização da gerência regional do MTE denunciaram as ameaças para a Polícia Federal, que está investigando o caso.

Mas, por enquanto, o órgão alega não poder divulgar o resultado das diligências. Em nota, a Superintendência Regional do Trabalho e Emprego na Bahia (SRTE-BA) informouque,diante das ameaças do início do mês, solicitou o apoio da PF para garantir a integridade física dos auditores em campo. Na mesma nota foi informado que, sobre as fiscalizações na região, apenas as ações rurais estão suspensas até que sejam adotadas medidas que esclareçam o fato. As demais ações fiscais estão sendo realizadas normalmente. As ameaças contra fiscais foram debatidas em uma audiênciapública intitulada Garantia dos Direitos TrabalhistasnaAtividade Ruralna Região de Barreiras. O debate foi realizado em maio do ano passado, tendo como meta aprofundar as discussões com representantes de diversos setores da comunidade do oeste baiano. “A chacina de Unaí jamais deverá se repetir”, disse anonimamente um fiscal, lembrando o 28 de janeiro como o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Nesta data, em 2004, quatro auditores do trabalho foram assassinados no município mineiro de Unaí, conforme apurou o Ministério Público Federal.