COMISSÃO PASTORAL DA TERRA

 

 

Nos próximos dias, entre 5 e 13 de julho, o papa Francisco estará na América Latina, onde visitará o Equador, Bolívia e Paraguai, respectivamente. Ao longo desses dias, o pontífice se reunirá com os chefes de estado dos três países, religiosos e religiosas, leigos e leigas, estudantes, com os movimentos populares na Bolívia, entre outros.

 

Essa é a segunda viagem que o papa Francisco faz à América Latina. Em 2013, ele esteve no Brasil para participar da Jornada Mundial da Juventude (JMJ).

O Encontro dos Movimentos Populares acontece entre os dias 7 e 9 de julho, em Santa Cruz da Serra, na Bolívia. Após desembarcar e passar alguns dias no Equador, o papa seguirá para a Bolívia, onde, no dia 9, se encontrará com os movimentos populares. Neste evento, nos moldes do realizado no Vaticano, no final de 2014, estarão presentes representantes de diversas organizações sociais do Continente.

Ao falar sobre a presença do papa no Encontro, padre José Fuentes, secretário-geral adjunto da Conferência dos Bispos da Bolívia, destacou, em entrevista ao jornal El País, que a “Bolívia é um país privilegiado porque levou a sério o processo de inclusão dos mais pobres, dos povos indígenas e, na conjuntura atual, o novo Estado Plurinacional está sendo visibilizado e reconhecido tanto no mundo inteiro como pelo papa Francisco”.

Irmã Tânia Maria de Sousa, da CPT Paraíba, e padre Severino Leite Diniz, da CPT São Paulo, representarão a Comissão Pastoral da Terra (CPT) neste Encontro.

Já no dia 10, o papa desembarcará em seu destino final, Assunção, no Paraguai. O dia 11 será marcado pelos encontros de Francisco com o povo paraguaio. Está marcada uma visita ao Hospital Geral Pediátrico da capital. Mais tarde ele se reunirá com o povo no Estádio Leon Condou da Escola São José.

SAIBA MAIS: Não vamos deixar cair esta palavra

Papa lamenta grilagem de terras por multinacionais e Estados

Papa Francisco: “Nenhuma família sem casa, nenhum camponês sem terra, nenhum trabalhador sem direitos”

No Vaticano, movimentos discutem novo modelo de desenvolvimento