COMISSÃO PASTORAL DA TERRA

 

Com objetivo de denunciar e tornar público os dados de conflitos e violências na luta pela terra, a publicação anual da Comissão Pastoral da Terra (CPT), Conflitos no Campo Brasil 2016, será lançada às 08h30 (horário local) desta sexta-feira, 09 de junho, no salão da Paróquia Nossa Senhora da Glória, em Cruzeiro do Sul, no Acre.

 

 (Por CPT Acre e Articulação das CPT’s da Amazônia | Imagem: CPT Acre)

A CPT Regional Acre, que também acompanha as comunidades rurais do Sul do Amazonas, quer sensibilizar a sociedade e mostrar que os registros de dados sobre conflitos no campo contribuem para denunciar os altos índices de violência, a grilagem de terras, a criminalização dos movimentos sociais, a negação dos direitos dos camponeses/as e das lideranças das comunidades.

No evento, estarão presentes agricultores impactados pelos grandes projetos, ameaçados e que sofreram algum tipo violência no ano passado. O bispo Dom Mosé abordará o momento de grave violência vivido no campo brasileiro; Darlene Braga, membro da CPT Acre e da Articulação das CPT’s da Amazônia, apresentará os dados referentes a conflitos no Acre e Sul do Amazonas, assim como em toda a Amazônia Legal; e a equipe da CPT de Cruzeiro do Sul falará sobre os dados locais.

Acesse a publicação Conflitos no Campo Brasil 2016

Kleber Andolfato, professor da Universidade Federal do Estado do Acre - Campus Floresta (UFAC), analisará a situação agrária no Brasil, focando nos problemas da chamada economia verde, pagamentos de serviços ambientais, desmatamento, grilagem de terras – temas estes que estão diretamente relacionados com situações de violência no campo.

Com ênfase nos dados referentes ao estado do Acre e Sul do Amazonas, a Pastoral entende que esse momento de lançamento da publicação é importante para tornar públicas as ameaças e violência sofridas pelas lideranças das comunidades, agentes pastorais, religiosos/as e o sofrimento de milhares de famílias – homens, mulheres e crianças.

Gostou dessa informação?

Quer contribuir para que o trabalho da CPT e a luta dos povos do campo, das águas e das florestas continue? 

Clique aqui e veja como contribuir