COMISSÃO PASTORAL DA TERRA

 

 

Após solicitação do Conselho Nacional de Direitos Humanos (CNDH) e apoio das pastorais e movimentos do campo, o Ministério da Justiça autorizou a Polícia Federal a apurar massacre de dez trabalhadores rurais sem terra no dia 24 de maio, em Pau D’Arco (PA).

 

(Fonte: Pulsar / Imagem: Marcelo Casal Jr, Agência Brasil).

O Ministério da Justiça autorizou a Polícia Federal a apurar a morte de dez trabalhadores rurais sem terra, no último dia 24, em Pau D´Arco, no Pará.

A autorização atende a um pedido do Conselho Nacional de Direitos Humanos e é uma das primeiras medidas assinadas pelo novo ministro, Torquato Jardim, empossado nesta quarta-feira (31).

No pedido, assinado pelo presidente do Conselho Nacional, Darci Frigo, a ocorrência é considerada uma violação a tratados internacionais dos quais o Brasil é signatário.

Ao determinar a atuação da PF no caso, o ministro da Justiça reconheceu a “necessidade de apuração de responsabilidade dos envolvidos na violação aos direitos humanos”.

SAIBA MAIS: NOTA PÚBLICA - Sem direito à terra em vida, massacre e morte indigna

CNDH levanta hipótese de vingança de policiais em massacre de Pau D’Arco

O Estado que mata é o mesmo que desumaniza suas vítimas

Chacina em Redenção (PA) deixa pelo menos 10 posseiros mortos

Policiais Militares que participaram da operação foram ouvidos nesta quinta-feira (01), pela Corregedoria da Polícia Militar no município de Redenção. Os agentes disseram que agiram em legítima defesa, e que foram recebidos a bala pelos trabalhadores ocupantes da fazenda.

Porém, em depoimentos a promotores e a integrantes da comitiva federal que visitaram a região nos primeiros dias após as mortes, sobreviventes relataram que os policiais chegaram ao local atirando, atingindo pelas costas algumas pessoas que tentavam fugir.

A chacina ocorreu no dia 24 de maio, quando nove homens e uma mulher foram assassinados durante cumprimento de mandados judiciais num acampamento situado na Fazenda Santa Lúcia. Os 29 policiais envolvidos estão afastados.