COMISSÃO PASTORAL DA TERRA

 

Neste domingo, dia 09/04/2017, cerca de 300 trabalhadores rurais sem terra foram covardemente atacados por Léo Andrade e seus capangas. Durante marcha de protesto e denúncia sobre a paralisação da reforma agrária, cinco camponeses e camponesas feridos covardemente. Confira nota completa.

 

(Imagem: Arquivo CPT).

Neste domingo, dia 09/04/2017, cerca de 300 trabalhadores rurais sem terra foram covardemente atacados por Léo Andrade e seus capangas. Léo se diz dono da Fazenda Norte América e, no passado, acusado de desvio de recursos públicos na gestão de Ruy Muniz, foi preso em Montes Claros. Os trabalhadores saíram em marcha nas proximidades do acampamento Alvimar Ribeiro para protestar e denunciar a paralisação da reforma agrária, do descaso do Governo Federal e do Governo do Estado. Segundo os relatos, no caminho foram alvejados por tiros efetuados por Léo Andrade e seus capangas que estavam na carroceria de uma Hilux dirigida pelo próprio fazendeiro. O resultado deste ataque repulsivo foi: cinco camponeses e camponesas feridos covardemente.

LEIA MAIS: Massacre de agricultores sem-terra no Paraná completa um ano

Criminalização da luta pela terra faz oito presos na Paraíba

Comunidades compartilham experiências de resistências ao MATOPIBA

O MST ocupou este latifúndio no inicio do ano de 2017 e até então o povo resiste a pressiona o Estado para realizar a reforma agrária na fazenda Norte América. O latifúndio tem três mil hectares e está localizado em Capitão Enéas, Norte de Minas Gerais. O título da terra está no nome de Antônio Ildeu Figueiredo e a fazenda está hipotecada. Léo Andrade alega que tem a posse da área. 

Segundo os trabalhadores, eram mais de seis pistoleiros. A PM prendeu apenas dois deles, mais armas e balas. O clima é muito tenso na região, os demais pistoleiros estão na região e os trabalhadores, homens, mulheres, idosos e crianças estão resistindo no acampamento. 

Cobramos ação do governo para prender os pistoleiros que tentaram assassinar os trabalhadores e fazer a reforma agrária. 

Gostou dessa informação?

Quer contribuir para que o trabalho da CPT e a luta dos povos do campo, das águas e das florestas continue? 

Clique aqui e veja como contribuir