COMISSÃO PASTORAL DA TERRA

 

 

 

A terceira edição da Festa Camponesa acontecerá neste sábado (19), na Comunidade Quilombo dos Almeida, no município de Silvânia, Goiás. A Festa é um momento de reflexão sobre a importância de garantir a continuidade da vida no campo, preservar a terra/território e discutir como implementar ações em defesa do nosso Cerrado. Confira a programação:

 

(Fonte: CPT Goiás)

A população de Silvânia (GO), em 2010, tinha 19.089 habitantes, destes, 33,60% viviam no campo. Número considerável comparado com média do Brasil que é 15,65%. Motivos para realização de mais uma festa camponesa.

No município de Silvânia já foram realizadas três Festas Camponesas. A primeira foi em 2009, na comunidade de Água Branca de Baixo, com o tema: “Cultura Camponesa e Agroecologia”. A segunda foi em 2014, na Comunidade João de Deus e refletimos sobre a “Terra e o Camponês no Plano de Deus”.

Nestes dias queremos celebrar a nossa vida na roça, nosso jeito de plantar colher, nossa vivência em Comunidade. Queremos também trocar experiências entre nós, entre as comunidades e adquirir conhecimento.

Com o tema: “Comunidade camponesa: espaço de vida na Defesa do Cerrado”, queremos refletir sobre a importância de garantir a continuidade da vida no campo, preservar a terra/território e discutir como implementar ações em defesa do nosso Cerrado.

Comunidades camponesas

O objetivo da festa camponesa é fortalecer a nossa identidade de camponeses. Mas qual a importância disso?

Padre Adilson, um missionário Saletino do Paraná, falou certa vez que só quem coloca os pés e as mãos na terra, sabe quanto Deus está presente, nesta dinâmica da vida: semear a semente, ver a planta crescer, colher, alimentar a família, os vizinhos, a comunidade, a cidade.

A importância de ser camponês está na família, na diversificação da produção, nos conhecimentos adquiridos de nossos antepassados, na troca entre os vizinhos, nos mutirões, na traição (treição); no cuidado com a terra, com a água e com as árvores do Cerrado; nas nossas crenças expressadas nas folias, reisados, rezas, benzedeiras, e na vida em comunidade.

Permanecer na terra e no território é primordial. Sem terra, sem território não tem como plantar, cuidar, valorizar este espaço. Não tem como continuar o sonho de Deus. Valorizar a vida em comunidade, nossa cultura, preservar o Cerrado é continuar a obra criadora de Deus.

Cerrado Berço das águas

Outro objetivo é partilharmos as ações em defesa do nosso Cerrado, que é o berço das Águas.

“Quando Deus criou o mundo, a cada coisa criada ele louvava, agradecia:” “e Deus viu que tudo era muito bom”. Deus criou o nosso Cerrado e todas as coisas que nele existem e deixou para nós, homens e mulheres, a tarefa de cuidar, zelar desse patrimônio. 

Silvânia está localizada no estado de Goiás, no Cerrado Brasileiro. De suas plantas medicinais tiramos remédios para cura. Das árvores frutíferas e da terra saem nosso alimento: pequi, laranja, mandioca, feijão, milho, abóbora. Das suas nascentes e aquíferos nascem às águas que abastecem toda a América do Sul. É a vida que nasce e se reproduz como no sonho de Deus.

Hoje, porém, esta vida está ameaçada. O Cerrado está sendo devastado. As monoculturas de soja e eucalipto estão acabando com a floresta e com as áreas de recarga das águas. Nossas famílias, o solo, as águas estão sendo contaminadas com o uso intensivo de agrotóxicos.

O Rio Piracanjuba é o que mais sente esta ação do homem, milhares de dragas que estão acabando com este que é o nosso patrimônio. Erosões nos barrancos, poluição do rio, eliminação de peixes, depreciação da qualidade do solo. Precisamos defender o Cerrado. Precisamos defender o Rio Piracanjuba, nosso patrimônio.

Nossa tarefa é importante. As comunidades camponesas são as guardiãs da Biodiversidade do Cerrado, precisamos recuperar e conservar as nascentes: defender o Rio Piracanjuba; proteger as florestas, não desmatar; produzir alimentos agroecológicos, sem o uso de agrotóxicos, fortalecer os laços entre vizinhos, vivendo em comunidade: resgatar espaços de vivência, rodas de conversar, mutirão, traição (treição); exigir de nossos governantes políticas, uma delas é a PEC 504/2010, que reconhece o bioma Cerrado como Patrimônio Nacional;  lutar para que os camponeses tenham acesso a créditos subsidiados e uma política agrária para continuar produzindo na terra; lutar para que as famílias tenham Terra e permaneçam na Terra.

Como participar da III Festa Camponesa

Esta Festa é das Comunidades, vamos partilhar, conversar, discutir como fortalecer a nossa identidade camponesa e a defesa do Cerrado. A Comunidade Quilombo recebe vocês, mas a festa é de todos e todas.

PROGRAMAÇÃO

8:30 hs – Concentração: Faz. Nego (Mangueiras)

9:00 hs – Abertura

9:20 hs – Início da Caminhada

10:20 hs – Celebração da Missa ( Escola Municipal Alexandrina)

11:30 hs – Fala do Tema: Comunidade Camponesa: espaço de vida e defesa do Cerrado

12:30 hs – Almoço

13:30 hs – Oficinas

- Agroecologia

- Modos de Vida

- Cerrado Berço das Águas

- Sementes Crioulas

14:30 – Show Cultural ( Apresentações culturais)

16:00 hs – Encerramento -  Benção da Água e entrega do símbolo para próxima Festa Camponesa.

- Baile na Comunidade.

Mais informações: CPT Goiás (62) 3223-5724

Gostou dessa informação?

Quer contribuir para que o trabalho da CPT e a luta dos povos do campo, das águas e das florestas continue? 

Clique aqui e veja como contribuir