COMISSÃO PASTORAL DA TERRA

 

 

 

O município mineiro recebeu, no último dia 30 de setembro, a primeira edição da Romaria do Cerrado e da Caatinga, cujo tema escolhido foi "A Terra não é propriedade privada de ninguém”. “A terra é casa Comum de todos”, conforme aponta, por exemplo, a Encíclica do Papa Francisco, Laudato Sí.

 

(Fonte: Assessoria de Comunicação da CPT com informações da CPT-MG | Imagens: Pascom-MG)

A última semana de setembro, que antecedeu a Romaria, recebeu o nome de Semana Verde. Diversas atividades marcaram esses dias em preparação para a Romaria, que ocorreu no mês em que é comemorado o Dia Nacional do Cerrado. Sob o tema do evento, no dia 22, mães e catequistas promoveram a “Rua da Alegria”, uma ação voltada para a formação da população local.

A primeira Romaria foi organizada pelo Grupo Resgate da Natureza, Paróquia São Sebastião, Comissão Pastoral da Terra em Minas Gerais (CPT-MG), Proderur, Arquidiocese de Montes Claros, Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Capitão Enéas, Irmãs da Divina Providência, e Irmãs Franciscanas Diocesanas. A ação contou com o apoio da Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado de Minas Gerais (FETAMG) e da Campanha Nacional em Defesa do Cerrado.

Já no dia 25 de setembro, em parceria com a Secretaria de Saúde, foram realizadas atividades de cuidado com o corpo em uma academia ao ar livre, e também ocorreu uma formação sobre os benefícios e o modo de usar os medicamentos naturais.

Como agradecer a Deus por tudo? A partir deste questionamento, no dia 28, a organização do evento trabalhou com as pessoas do município de Capitão Enéas a “Gratidão". Dia 29, como forma de mobilizar para a Romaria e para a Campanha Nacional em Defesa do Cerrado, foi realizada uma ação de panfletagem nas ruas e na feira da cidade.

E para fechar essa semana, no dia 30, teve início, às 07 horas, a 1ª Romaria do Cerrado e da Caatinga com uma celebração eucarística conduzida por dom João Justino. Em seguida, o povo saiu em caminhada rumo à Estrada da Produção. O encerramento da Romaria foi na Ponte Serafim. Um momento forte de anúncio de esperança e denúncia sobre a forte destruição dos biomas Cerrado e Caatinga na região, além dos conflitos promovidos por mineradoras, monocultivo de eucalipto, grilagem de terras e outros.

LEIA TAMBÉM: 31ª Romaria da Terra do Paraná celebra o Deus acampado entre nós

“Dos troncos retorcidos surge a esperança” inspira a 3ª Romaria do Cerrado de Rondonópolis (MT)

Reafirmando a missão de irmã Dorothy Stang cerca de 300 pessoas participam da 13ª Romaria da Floresta, em Anapu (PA)

Diversidade das romarias

Realizadas pela CPT desde 1978, as primeiras Romarias da Terra ocorreram no Rio Grande do Sul e em Bom Jesus da Lapa, na Bahia. Alguns Regionais da Pastoral da Terra realizam suas romarias em lugares tradicionais, como no Santuário do Bom Jesus da Lapa (BA). Mas esses eventos, carregados de simbolismos, anúncios e denúncias, costumam ocorrer em lugares emblemáticos para a luta pela terra.

Na primeira década do ano 2000, as romarias começaram a se chamar Romarias da Terra e das Águas. E nos últimos anos começaram a ser realizadas também as Romarias do Cerrado, como na região Oeste da Bahia, que já está em sua quinta edição; em Cuiabá, capital do Mato Grosso, e em Rondonópolis. Já em 2017 ocorreu em Balsas, no Maranhão, a 1ª Romaria Nacional do Cerrado, que foi precedida pelo Encontro dos Povos e Comunidades do Cerrado.